quarta-feira, 28 de abril de 2010

No topo do topo - Restaurante Panorama do Sheraton Lisboa

OJE - Lifestyle - 2010.04.28

Cheguei à porta do hotel, entreguei as chaves do carro ao porteiro, dirigi-me ao elevador, carreguei no "R" e fiz uma viagem ultra-sónica até ao último andar do hotel Sheraton Lisboa.

Rendido à vista que este espaço oferece sobre a Capital, ainda tenho tempo para um aperitivo antes de passar para a sala de combate.

O bar está repleto de empresários e quadros que foram beber um último copo antes de voltarem para casa, ou quem sabe aventurar-se nos prazeres da mesa.

A cozinha está a cargo do Chefe Leonel Pereira, um criativo e irrequieto cozinheiro que só se contenta quando o impossível está desmascarado numa das suas apetitosas obras.

Sentado numa mesa em que, mais perto da janela e da cidade era impossível, deixo de pensar um pouco no exterior e foco-mo no interior.

As mesas espaçadas (oferecendo privacidade), os copos e pratos da Christoffle, os talheres de prata, fundiam-se na decoração discreta, no entanto com bom gosto.

É tempo de largar a prosaica e virar-me para a acção, pois já estão na mesa as ostras do rio Sado ao natural sobre espuma de funcho, ovas de Tobiko, gelado de maçã "granny smith" e bronoise de pepino. Um prato fresco, diria mesmo sensual, onde a bronoise reforça a fresquidão da ostra e as ovas são pequenas bombinhas de prazer que explodem lentamente na boca. Acompanhou-se o prato com um alvarinho Aveleda Follies.

Segue-se aquele que eu mais aguardava, "o coral": tiras de choco gigantes salteadas, amêijoas, percebes, algas frescas, salicórnias e minerais, a experiência é como dar um mergulho no fundo do mar num dia quente de Verão, e sair com todos os frescos e salgados aromas que este oferece. Troquei a opção de vinho por uma cerveja e estava a viver um dos meus melhores dias de praia sem sequer estar à beira mar.

A Gamba Encarnada do "Algarve" corada sobre umas falsas migas de broa com poejos, tomate e chaterelles rosa, acompanhou-se de um "Gold Cuvée", espumante ‘inot com folhas de ouro de 22 quilates, harmonia interessante, onde primeiro sobressaem as texturas das migas, depois os sabores exóticos dos cogumelos, terminando nas apelativas e tenras gambas.

Nacos do Lombo de Atum corado e Toro confitado em azeite, mousse de cebola e batatinhas salteadas com miolo de amêijoa, coentros e azeitona galega e um tinto do Paulo Laureano Premium. A textura de todo o prato é excelente, a cebolada, o alho e as batatas lembram um pouco o Algarve e convidam o atum a saltar para a grelha.
Um verdadeiro e fresco regalo gustativo.

Termino os quentes com: A nossa "Modesta Homenagem" ao cozido à portuguesa sobre um creme de nabo com lombardo e geleia natural das suas carnes.

Esqueçam os vinhos, esqueçam as lembranças negativas da infância e rendam-se ao creme de nabo, pois por mais que quisesse parar não conseguia. Foi sempre o primeiro a não ser escolhido quando era pequeno, mas aqui é algo que poderia comer à colher.

É um conceito inovador e uma visão diferente do cozido, talvez provocatório para os puristas, mas este eu poderia repetir dezenas de vezes e não sair enfartado. Parabéns Leonel.

Antes do café ainda houve tempo para: Sobre um aveludado de Porto "Rubi" bronoise de pêra rocha confitada, crocante de caril e gelado de fava tonka, bem preparado e arrojado, é uma harmonia de sabores e aromas.

Acompanhei este prato com um Porto Real Companhia Velha, que naturalmente se integrou ao prato, na minha próxima visita vou tentar com um Madeira.

Gosto muito de seguir as indicações dos chefes e sommiliers, e neste caso fui muito bem conduzido, mas por vezes também é bom divagar e procurar novas notas e mudar alguns tons no que para mim foi uma verdadeira sinfonia gustativa e criativa.

Suba bem alto até ao topo e deixe-se conduzir pelo chefe nesta viagem aos prazeres da gastronomia.

Detalhes
Restaurante Panorama
Sheraton Lisboa Hotel & Spa - Rua Latino Coelho 1 - 1069-025 Lisboa
W 9º 9' 4,9'' N 38º 43' 47,4''
www.sheraton.com/lisboa
sheraton.lisboa@sheraton.com
+351 213 120 708 / +351 213 120 000
Horário: Aberto todos os dias das 19h às 23h
Preço Médio: €70, Menu de degustação €52 (€72
com suplemento de bebidas)
Tipo de Cozinha: Contemporânea Portuguesa de Autor
Cartões: MB, VISA, MASTERCARD, AMEX, DINNERS
Notas: Valet Parking

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 28 de Abril de 2010

terça-feira, 27 de abril de 2010

O meu menu: Pelos caminhos de Portugal

OJE - Lifestyle - 2010.04.27

Um dia, depois de uma viagem que terminou na estação central de comboios de Genebra, saí em direcção à rua de Mont-Blanc, e entrei no nº26, onde se encontra o famoso bife do café de paris.

Nessa altura, dada a minha juventude e falta de experiência gastronómica, desconhecia a fama e paladar de tão boa carne e molho. Foi com muita surpresa que a encontrei novamente em Lisboa, incluída numa carta muito mais diversificada. Ora vejam: Gambas ao alhinho (€8,5); montadito de presunto (€3,8); bacalhau à Braz (€10,5); “entrecôte Café de Paris” (€13,8); tarte de limão merengada (€3,5).

Foi no Parque das Nações, no restaurante Sagresjaria que voltei a deliciar o palato com este repasto.

Com uma decoração moderna em que a cerveja é o elemento preponderante, podemos encontrar, além de um dos meus bifes preferidos, um serviço célere e atencioso.

Um dos pontos mais interessantes neste local é a forma descontraída com que um balde cheio de gelo e de mini-cervejas chega à mesa, e basta tirar, abrir e beber – simples e convidativo.

E porque uma mini na mesa é sempre algo que convida a ficar, aqui está uma razão que o incentiva a ir, porque HOJE é terça-feira, as nossas recomendações vêm acompanhadas de um voucher: para isso leve uma cópia do jornal ou o recorte deste artigo e usufrua de um desconto de 10% na factura válido até dia 31 de Maio.

Ainda agora cheguei da Madeira e não me consigo esquecer de tantas refeições interessantes que comi nos diversos restaurantes funchalenses, hoje destaco um menu que representa bem uma cozinha que muita influencia teve na nossa gastronomia: Crepe picante à Morgadinha - recheio de mariscos temperado com especiarias (€7,5); lulas recheadas - lulas fritas com recheio picante (€13,5); “Dampak” - carne de vaca com molho de iogurte, coentros e erva-doce (€13); bolinho quente de chocolate com gelado de baunilha (€5,5).

A gastronomia é goesa, e o restaurante chama-se A Morgadinha.

Decoração simples mas cheia de detalhes regionais, como as várias cortinas com bordados típicos, as mesas aprumadas com atoalhados bonitos e guardanapos macios, convida todas as pessoas a comer e ficar a degustar.

Mesmo no centro do Funchal integrado na bela e verdejante Quintinha de São João, transformada agora num Hotel e Spa, tem este delicioso restaurante onde tudo é bom e diferente.

E se não quiser partir depois da refeição, tem a possibilidade de uma massagem no moderno SPA e depois pode pernoitar num dos magníficos quartos desta unidade de cinco estrelas.

Até ao dia 31 de Julho não se esqueça de levar a sua cópia do OJE ou recorte deste artigo e usufrua de uma oferta extraordinária de 10% de desconto sobre a factura final do restaurante.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

VOUCHER
10% na factura até dia 31 de Maio
Restaurante Sagresjaria
Rua da Pimenta lote 2.15.1 - Parque das Nações 1990 Lisboa
W 9° 5' 32" N 38° 46' 12’’
Tel. (+351) 218 957 041
Email: sagresjaria@moiagest.com

10% na factura até dia 31 de Julho
A Morgadinha
www.quintinhasaojoao.com
Estalagem Quintinha de São João, Rua da Levada de São João, 4, 9000-191 Funchal
W 16° 55' 11.3" N 32° 38' 51.4"
Tel. (+351) 291 740 920
Email: info@quintinhasaojoao.com

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 27 de Abril de 2010

segunda-feira, 26 de abril de 2010

The World’s 50 Best Restaurants

Aqui está a lista dos 50 melhores restaurantes publicados pela "The World’s 50 Best Restaurants" e suportada pela água S. Pellegrino.

Primeiro lugar: Noma de René Redzepi na Dinamarca, El Bulli desce para 2ª e o The Fat Duck para terceiro.

De destacar a subida estrondosa do Daniel de trinta e três lugares, encontrando-se agora no top Ten.


1 Up 2 - Noma - Denmark - The S.Pellegrino Best Restaurant in the World, The Acqua Panna Best Restaurant in Europe

2 Down 1 - El Bulli - Spain - Restaurant Magazine Chef of the Decade


3 Down 1 - The Fat Duck - UK - The Chef's Choice sponsored by Electrolux


4 Up 1 - El Celler de Can Roca - Spain


5 Down 1 - Mugaritz - Spain


6 Up 7 - Osteria Francescana - Italy


7 Up 3 - Alinea - USA - The Acqua Panna Best Restaurant In N.America


8 Up 33 - Daniel - USA - The Highest Climber sponsored by Cocoa Barry


9 Down 1 - Arzak - Spain


10 Down 4 - Per Se - USA

11 Up 29 - Le Chateaubriand - France
12 Up 26 - La Colombe - South Africa - The Acqua Panna Best Restautant in South Africa
13 Down 4 - Pierre Gagnaire - France
14 Up 2 - L'Hotel de Ville - Philippe Rochat - Switzerland
15 — Le Bernardin USA
16 Down 5 - L'Astrance - France
17 up 9 Hof Van Cleve - Belgium
18 Up 6 - D.O.M. - Brazil - The Acqua Panna Best Restaurant in South America
19 Up 10 - Oud Sluis Holland

20 Up 29 - Le Calendre Italy

21 Up 9 - Steirereck - Austria
22 Up 3 - Vendome - Germany
23 Down 2 - Chef Dominique - Finland
24 Down 4 - Les Creations de Narisawa - Japan - The Acqua Panna Best Restaurant in Asia
25 Up 25 - Mathias Dahlgren - Sweden
26 Up 5 - Momofuku Ssam Bar - USA
27 Up 19 - Quay - Australia - The Acqua Panna Best Restaurant in Australasia
28 Up 17 - Iggy's - Singapore
29 Down 11 - L'Atelier de Joel Robuchon - France

30 New Entry - Schloss Schauenstein - Switzerland

31 6 - Le Quartier Francais - South Africa
32 Down 20 - The French Laundry - USA
33 Down 4 - Martin Berasategui - Spain
34 New Entry - Aqua - UK
35 Up 7 - Combal Zero - Italy
36 Up 12 - Dal Pescatore - Italy
37 New Entry - De Librije - Netherlands
38 21 Tetsuya's - Australia
39 New Entry - Jaan Par Andre - Singapore

40 New Entry - Il Canto - Italy

41 Re-Entry - Alain Ducasse Au Plaza Athenee - France
42 Down 10 - Oaxen Krog - Sweden
43 Down 29 - St John - UK
44 Re-Entry - La Maison Troisgros - France
45 New Entry - wd~50 - USA
46 New Entry - Biko - Mexico
47 Down 24 - Die Schwarzwaldstube - Germany
48 New Entry - Nihonryori RyuGin - Japan
49 New Entry - Hibiscus - UK
50 New Entry - Eleven Madison Park - USA

51 Maison Pic - France
52 Jean Georges - USA
53 L'Atelier de Joel Robuchon - Hong Kong
54 Wasabi - India
55 Robuchon A Galera - Macau
56 Bras - France
57 De Karmeliet - Belgium
58 Marcus Wareing at The Berkeley - UK
59 Lung King Heen - Hong Kong
60 Rouge - Canada
61 Etxebarri - Spain
62 Tantris - Germany
63 Akelarre - Spain
64 Gastehaus Erfort - Germany
65 Bo Innovation - Hong Kong
66 Zuma - London
67 Marque - Winner of Breakthrough Award 2010 - Australia
68 Ruscalleda Sant Pau - Spain
69 Chez Panisse - USA
70 Quique Dacosta - Spain
71 Ristorante Cracco - Italy
72 Pujol - Mexico
73 Attica - Australia
74 Rust En Vrede - South Africa
75 Varvari - Russia
76 La Grenouillere - France
77 Langdon Hall - Canada
78 Les Amis - Singapore
79 Can Fabes - Spain
80 La Gazzetta - France
81 Plavi Podrum - Croatia
82 The River Café - UK
83 Mirazur - France
84 Gunther's - Singapore
85 Doce Uvas - Russia
86 Manresa - USA
87 Enoteca Pinchiorri - Italy
88 Quintessence - Japan
89 Restavracija JB - Slovenia
90 Amber - Hong Kong
91 Masa - USA
92 Le Gavroche - UK
93 Café Pushkin - Russia
94 Semifreddo - Russia
95 Alain Ducasee at The Dorchester - UK
96 Cepage by Les Amis - Hong Kong
97 La Pergola - Italy
98 Le Louis XV - France
99 Le Pre Catela - Paris
100 Amador - Germany

Ver o site

Alta Cozinha no Funchal

OJE - Lifestyle - 2010.04.26
Fotografia de Henrique Seruca

Foi no Il Galo D'Oro, no hotel Cliff Bay, na Madeira, que foi servido o primeiro de uma série de 12 jantares espalhados pelo país.

Durante anos, sempre que me desloco à Madeira, ouço que finalmente vão organizar um festival gastronómico, em que os planos são muitos, mas a acção é nula.

Farto de ver as coisas a não acontecerem, um grupo privado do Funchal iniciou contactos e, através de um conjunto de intenções e boa vontade, chegou-se a uma ideia. Era tão simples e dinâmica que não foram necessárias muito mais do que umas escassas dezenas de horas para se reunir um conjunto de sins e transformar dezenas de reuniões goradas em algo prático.

Foi no Il Galo D'Oro, restaurante galardoado com uma estrela Michelin, no hotel Cliff Bay, que se serviu, nas passadas quinta e sexta-feira, os dois primeiros de uma série de 12 jantares espalhados pelo país.

Os Chefes que prepararam o fantástico repasto foram os estrelados Benoît Sinthon, anfitrião e Chef da casa, e os convidados Joachim Koerper do Eleven e a jovem estrela nacional José Avillez do Tavares.

Ao programa deram o nome "Na Rota das Estrelas" e o conceito é inovador, arrojado e, no entanto, simples.

Seis restaurantes galardoados com estrelas Michelin uniram-se em prol da gastronomia e convidaram a juntar, em cada uma das suas cozinhas, outros dois Chefes para assim elaborarem um menu único, juntando, na mesma ementa, as suas diferentes criações, através das quais ganharam o tão prestigiado "macarron" do guia vermelho.

O impacto deste evento não vai ser apenas para o público, que poderá usufruir, numa só ementa, de vários pratos elaborados por três dos melhores Chefes a trabalharem em solo luso.

Também os Chefes aqui ganham, pois têm não só a oportunidade de conferenciar e trocar técnicas e experiências diferentes, como de descobrir um pouco dos produtos regionais e as suas formas de confecção.

Na passada quinta-feira, na Madeira, fui um dos privilegiados a ter a oportunidade de assistir à reunião, confecção e posterior degustação de uma ementa de sonho.

O primeiro prato era o amouse bouche preparado pelo Chefe Benoît - uma pequena mousse com sabores do mar, em que a fresquidão dos mariscos revelava-se bastante interessante a cada garfada. Seguiu-se a entrada - foie gras com pêra quase bêbada e espuma de torradas com manteiga do Chefe Avillez.

Depois foi o Chef Koerper que brilhou com a sopa de lavagante assado com alcachofras em espelho de vinho do douro.

A supresa de limão com pimentos vermelhos, o carré de borrego em crosta de ervas e jarret confitada, moussaka de legumes e alho recheado, e finalmente a sinfonia de chocolate: souflé tainori, sorvete de framboesa e chocolate branco "ivoire", mini mil-folhas choco-laranja, "coulis" de framboesas foram todas confeccionadas pelo Chef Benoît, apesar de, na sobremesa, contar com a ajuda do seu Chef pasteleiro Yves Michoux.

Após todas estas referências, aposto que o senhor leitor está à procura do telefone para fazer a reserva para o próximo jantar, que está agendado para o restaurante Tavares nos dias 29 e 30 de Abril, e posso adiantar que os convidados do Chef Avillez são os Chefes Albano Lourenço, das Arcadas no Hotel Quinta das Lágrimas, e o Hans Neuner, do Ocean no Hotel Vila Vita.

Voltando ao jantar que eu tanto gostei, gostaria de realçar o excelente trabalho que o multi-premiado enólogo da Madeira e de vinhos da Madeira, Francisco Albuquerque, teve na escolha de vinhos para este repasto.

As mesas repletas de comensais não disfarçavam o ar de prazer e de deslumbre, não só visual como gustativo. Sejamos francos, não é todos os dias que se pode ter acesso a tão alta e variada gastronomia num só jantar.

Dessas caras encontravam-se ilustres comensais, como o Presidente do Governo Regional, a Secretária Regional de Turismo e Transportes, e o Presidente da Câmara do Funchal, que tiveram direito a uma pequena homenagem e tributo pelo excelente trabalho realizado após a tragédia de 20 de Fevereiro.

Para António Trindade, CEO do grupo Porto Bay, "este é um momento muito importante, não só para a gastronomia portuguesa, como uma lição de que, quando há vontade, as barreiras tornam-se de algodão. Seis empresas do sector privado juntaram-se e, sem qualquer investimento a não ser o da boa vontade, criou-se um evento sem precedentes que garantidamente vai ter continuidade nos anos vindouros".

Os Chefes José Avillez e Joachim Koerper foram da mesma opinião: "É uma oportunidade única de aprender com os meus colegas, de conhecer um pouco mais da cozinha praticada na Madeira. E, de certa forma, conhecer um pouco melhor esta ilha que tanto encanta os seus visitantes"

Já Benoît Sinthon revela: "Não posso esconder a emoção com que recebo os meus colegas na minha casa, bem como da importância que este evento tem para a minha equipa. Há pessoas que foram comprar roupas novas para se apresentarem no seu melhor. É algo de diferente, e todas as equipas precisam de algo de novo para motivá-las"

Agora é só ver o que vem a seguir na rota das estrelas - http://rotadasestrelas. blogspot.com/.

CALENDÁRIO
29 e 30 de Abril
Tavares
Rua da Misericórdia 37 - 1200-270 Lisboa
+351 213 421 112 www.restaurantetavares.pt
W 9º 8' 34,7'' N 38º 42' 40,5''

13 e 14 de Maio
Arcadas
Rua António Augusto Gonçalves Apartado 5053, 3041-901 Coimbra
+351 239 802 380 www.quintadaslagrimas.pt
W 8º 25' 56,6'' N 40º 11' 55''

23 e 24 de Maio
Ocean
Alporchinhos 8400-450 Lagoa
+351 282 310 100 www.vilavitaparc.com
W 8º 22' 45'' N 37º 6' 6''

27 e 28 de Maio
Fortaleza do Guincho
Estrada do Guincho 2750-642 Cascais
+ 351 21 4870491 www.guinchotel.pt
W 9º 29' 0'' N 38º 42' 32''

3 e 4 de Junho
Eleven
Rua Marquês da Fronteira Jardim Amália Rodrigues - 1070 Lisboa
+351 213 862 211 www.restauranteleven.com
W 9º 9' 22,7'' N 38º 43' 50,2''


Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 26 de Abril de 2010

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Colecção Guias SÁBADO - 8 Temas 8 Guias

Todas as semanas um guia, são oito temas, oito guias.

Já foram publicados temas como "Férias a 2" e "Onde se Come Bem".

Esta semana com a revista pode contar com o guia : "City Break O que fazer numa cidade em 48 horas?", e para a semana "Hóteis e Restaurantes Sofisticados".

Vá ás bancas e compre já a sua cópia da revista Sábado e receba grátis o seu GUIA.

Umai – Um restaurante com Asian Twist

Inaugura hoje o Umai, um restaurante de cozinha asiática com a assinatura dos chefs Paulo Morais e Anna Lins e que quer abrir as portas a uma nova experiência gastronómica, o Asian Twist.
Quem conhece estes dois chefes sabe que vai ser concerteza uma excelente experiência gastronómica, eu só tenho pena de estar a um oceano de distancia, caso contrário estava a fazer fila para entrar.
Desde que deixou o Q.B Essence que o Chefe Paulo Morais tinha deixado um vazio na boa cozinha asiática, agora podemos voltar a respirar a boa gastronomia do oriente.
Boa sorte Paulo e Ana,

Propostas Umai
Atum em crosta de tomilho
Swing maki - rolo em tempura
Cornucópia de sésamo com caranguejo real
Peixe parsi em folha de bananeira
Laksa Lemak - massa com peixes e marisco em caldo aromático
Brownie de chá verde

Rua Cruz de Poiais, n.º 89 - 1200-136 Lisboa
Tel. 21 395 80 57; 91 985 86 80

quinta-feira, 22 de abril de 2010

O debulho do sável e o bisoito de milho, são o cartaz de um fim-de-semana gastronómico

A exemplo do que vem acontecendo há vários anos, a Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, em colaboração com o Turismo do Porto e Norte de Portugal e os restaurantes aderentes, vão promover, nos dias 24 e 25 de Abril, um fim-de-semana Gastronómico sob o tema 'O Debulho do Sável e o Biscoito de Milho'.

O forte relacionamento com o rio Minho e toda uma história ligada à actividade piscatória e à agricultura, fornecem o ex-libris da gastronomia cerveirense, a degustar pelos visitantes no próximo fim-de-semana.

O sável, como prato de excelência das terras de Cerveira, será servido em cerca de uma dezena de restaurantes aderentes, podendo ser apreciado o debulho do sável, o sável frito, cozido ou de escabeche, sempre acompanhado do bom vinho da região.

A terminar a refeição e como sobremesa - ou no momento em que quiser! - Cerveira não podia deixar de apresentar nas mesas o seu delicioso e típico biscoito de milho.

A gastronomia associa-se assim, ao conjunto de iniciativas integradas nas comemorações do 25 de Abril no concelho, que incluem uma tertúlia e projecção de documentários alusivos à Revolução dos Cravos, a passagem do filme 'Bom Povo Português' e uma concentração e desfile de grupos de bombos.

Fonte: Câmara Municipal de Vila Nova da Cerveira

Risotto com espargos verdes e cogumelos selvagens

Receita de Benoit Sinthon
(1 estrela Michelin no Il Gallo D'Oro www.portobay.com)
Funchal - Madeira

Ingredientes:
150gr Arborio risotto
50gr cebola laminados
50ml Vinho branco
20cl. Caldo de galinha
20gr cogumelos
30ml azeite
50gr espargos verdes
20gr queijo Parmesão
Sal & pimenta


Levar a cebola laminada ao lume com azeite até ficar macia e transparente.
Juntar ao preparado o risotto Arborio.
Reduzir.
Adicionar o vinho branco e deixar evaporar o álcool.
Juntar o caldo de galinha gradualmente em três tempos ( cerca de 6mn de cozedura cada vez).
Tempo total de cozedura: entre 17 e 20mn.
À parte, saltear em azeite os cogumelos e os espargos juntando o salteado junto do risotto.
Por fim. juntar ao preparado o queijo parmesão e três porções de manteiga.
Sal e pimenta.

"Bonne Appétit"

Caso tenha dúvidas estarei pronto para o ajudar (gourmet@live.com.pt) - a fotografia é apenas uma sugestão de apresentação.

Boa sorte e bom gourmet

P.S. Esta semana no Cliff Bay, nomeadamente no Il Galo D'Oro vai dar inicio ao evento gastronómico: A Rota das Estrelas.

Caso pretendam mais informações podem consultar no blogue a rota das estrelas, ou neste blogue onde já há uma noticia.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Pinhal da Torre - Hand Crafted Portuguese Wines

OJE - Lifestyle - 2010.04.21

São 55 hectares de vinha distribuídos em duas quintas: Alqueve e São João. Estou a falar do Pinhal da Torre, sediado em Alpiarça, e que produz mais de 12 diferentes rótulos, divididos na entrada de gama com a "Vinha do Alqueve", a gama média "Quinta do Alqueve", as superiores a "Prestige" e a top dos tops "Premium".

As castas dividem-se por muito mais do que os rótulos e combinam o melhor das vinhas nacionais, com a necessidade emergente de trazer o cheirinho internacional, como o syrah nos tintos ou o chardonnay nos brancos.

A vinha, essa é situada mesmo no centro do Ribatejo, agora dominada região Tejo, que sempre foi um pouco desconhecida em termos vínicos no mercado português, e agora com a alteração de nome e região ainda se tornou um pouco mais confusa.

Mas Paulo Saturnino Cunha ignora a alcunha do desconhecido e promove aquilo que deve ser fomentado, a boa qualidade e a originalidade do solo e vinha desta região.

É ponto assente e obrigação a produção de vinhos com qualidade e apresenta alguns rótulos de vinho tinto que devem receber uma merecida atenção.

São eles o Quinta de São João e o 2 Worlds, ambos de 2004. O primeiro é um conjunto de três castas: Touriga nacional, touriga franca e tinta roriz, e apesar dos seis anos, três dos quais em garrafa, apresenta uma cor rubi com laivos violetas, mostrando uma jovialidade aromática e uma elegância na boca muito boas.

O seu carácter frutado, onde os frutos maturados do bosque sobressaem, e o estágio de 12 meses em barricas, conferem uma característica complexa e de final rico na boca. Curiosamente por cada hora que passa e se não exagerar vai assistir a uma evolução crescente do vinho, e no meu caso quatro horas após a abertura conheci da mesma garrafa um novo e mais interessante nectar.

Uma escolha adequada para combinar com grelhados de carnes de porco e vaca.

Quanto ao segundo, o 2 Worlds, para o qual recaiu a minha preferência, as castas são touriga nacional e cabernet sauvignon. A sua harmonização de forma singular revela um vinho muito gastronómico e aveludado.

O estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês deu uma complexidade e uma persistência bastante agradável, terminando de forma longa, enchendo a boca com os seus taninos muito seguros e redondos.

Termino ainda com uma referência especial ao Quinta do Alqueve Colheita Tardia 2005, feito 100% com uvas da casta Fernão Pires.

De cor dourada brilhante onde o seu carácter único e frutado, especialmente a maçã reineta, harmoniza de forma adequada com o doce suave do melaço caramelizado. Torna-se assim um vinho muito interessante para acompanhar sobremesas, e alguns queijos, como o da serra.

São vinhos para beber, apreciar e criar ambiente, transformando o néctar de Baco num prazer que deve ser partilhado.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Detalhes:
Pode encontrar em vários restaurantes e garrafeiras especializadas, sendo o contacto do produtor:
Pinhal da Torre
Quinta de São João - 2090 Alpiarça
Tel: (+351) 243 559700
www.pinhaldatorre.com
E-mail: geral@pinhaldatorre.com


Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 21 de Abril de 2010

Festival do Chocolate e fim-de-semana doce no Tivoli Marina em Vilamoura

Começa no dia 30 deste mês e dura até ao dia dois de Maio, o Festival de Chocolate no Centro de Congressos de Vilamoura. São inúmeras actividades, entre as 15h e as 21h, para os fãs desta iguaria.

O Tivoli Marina Vilamoura preparou um pacote especial de alojamento e um jantar temático numa campanha que inclui 2 noites em quarto duplo com pequeno-almoço, entrada no Festival de Chocolate, 20% desconto no Angsana Spa, (crianças grátis até aos 12 anos) e late check-out até às 15h00, a partir de 270€ (Válido entre 30 de Abril e 2 de Maio).

Este festival promete proporcionar ao público de todas as idades verdadeiras experiências à volta do chocolate: esculturas e pintura, várias demonstrações com artesãos, chocolateiros e chefs, workshops para profissionais e iniciados e ainda um espaço infantil com actividades para crianças.

Para além da campanha especial de alojamento, o Tivoli Marina Vilamoura preparou também um jantar dedicado ao chocolate, no dia 30 de Abril, no restaurante Menta. Uma ementa de fazer crescer água na boca com a assinatura dos Chefs do Tivoli Marina Vilamoura - António Bastos e Ricardo Ferreira – e do Tivoli Victoria - Joaquim Sousa e Bruno Rocha.

Ementa do Jantar “Doce Chocolate”
Macarons de cacau 100% com foie gras, flor de sal e redução de vinho do Porto
Camarão com xocopili, vieira em “mycro” e lascas de “guanaja” em salada
Sorbet de kalamansi
Supremo de pintada lacada com molho de pimentas e “abinao”
Mousse “jivara” e crocante de “grué” sobre um financier de “xocomeli”
Mignardises e chocolates

Preço por pessoa: 40€

RESERVAS:
reservations.htm@tivolihotels.com
Tel: 289 303 303

terça-feira, 20 de abril de 2010

O meu menu : Pelos Caminhos de Portugal

OJE - Lifestyle - 2010.04.20

Agora que o evento Peixe em Lisboa terminou, as pessoas têm de procurar um novo local para as suas refeições de negócios, lazer e, principalmente, prazer.

E como o tempo para pesquisar é pouco, mas a vontade de comer bem é muita, eu simplifico o vosso trabalho com esta bombástica sugestão: Aveludado de porcini com texturas de maçã verde, creme de cogumelos porcini aromatizado com trufa preta, servido em dois tempos sobre composição de maçã verde (€8); lombo de bacalhau em pão de azeitona elaborado no nosso forno a lenha (€17); vitela de comer à colher sobre farrapo-velho de alheira, confitada na marinada e servida sobre uma cama de batata, grelos, alho e alheira, tudo salteado com azeite (€16); fondant de abóbora com mousse de requeijão e amêndoas tostadas (€7).

Aqui estou eu no quarto piso, onde a saída do elevador oferece entrada directa ao "Mesa".

Abriu há pouco tempo, mas a criatividade e a técnica do chefe cozinheiro do ano de 2004 está presente e patente em todas as iguarias apresentadas.

Falo, claro, de Luís Américo, que finalmente tem um espaço que pode chamar de seu. Decoração agradável, mesas confortáveis, com vários pormenores deliciosos.

A varanda, que espera o fim das obras e o início do bom tempo, irá ser, certamente, uma das mais procuradas no Verão, onde boa comida e boa vista combinam sempre na perfeição.

Ao almoço tem ainda uma ementa mais reduzida, onde os pratos são menos complexos, mais baratos, com a mesma qualidade, ideal para quem quer uma refeição gastronomicamente rápida.
E como eu gostaria que você visitasse este talentoso chefe. Como forma de incentivo, se levar a sua cópia do OJE ou o recorte do artigo recebe um desconto de 10% no valor da factura final.

Saindo lentamente desta bela cidade, rumo em direcção ao alto Alentejo, onde a gastronomia regional é sempre razão para uma viagem e, para minha felicidade, dá para comer este conjunto de iguarias: Salada de perdiz em escabeche (€15,5); migas gatas com bacalhau e coentros (€12,5); migas à alentejana com carne do alguidar (€15); ensopado de borrego com saladinha de cheiros (€16,5); cozido de grãos no tarro -2PAX (€22,5); sortido de doces conventuais (7,5).

Sentado na mesa da Bolota na Terrugem, você pode comer isto e muito mais.

Não vá é sozinho, leve alguém e o estômago vazio, pois aqui o petisco e petiscar são regra da casa, e quem petisca sozinho não conta com a companhia para partilhar experiências e sensações.

É uma ementa que faz uma viagem aos sabores alentejanos, e dá opção de pratos internacionais, um pouco de tudo, para quem tudo quer.

Mas antes de fazer a sua visita não se esqueça de meter a sua cópia do OJE ou recorte deste artigo debaixo do braço e, no fim da longa e apetitosa refeição, apresentar tão nobre papel, e receba a simpática oferta de um desconto de 15% no valor final até ao dia 31 de Maio de 2010.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.
VOUCHER
10% no valor da factura válido até 31.05.2010
Restaurante a Mesa
Rua Dom Domingos Pinho Brandão, 75 - 4º, 4150-280 Porto
W 8° 40' 29.9" N 41° 9' 48.8"
Tel. (+351) 226 169 255
www.amesa.pt • Email: info@amesa.pt

15% no valor da factura válido até 31.05.2010
Restaurante A Bolota
Quinta das Janelas Verdes - 7350-491 Terrugem
W 7º 20' 53,3'' N 38º 50' 49,9''
Tel. (+351) 268 657 401 | 268 656 118
Email: bolota.castanha@mail.telepac.pt

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 20 de Abril de 2010

Onde param as Estrelas

OJE - Lifestyle - 2010.04.19

A importância dos guias e roteiros, sejam eles de gastronomia, hotéis e viagens, é cada vez maior, certo que os há para todos os gostos, feitios e carteiras, uns mais populares que outros.

Mas há algo que caracteriza verdadeiramente um guia: ser uma máquina de sonhos. Há um que todos os anos provoca calafrios aos chefes, surpresas aos leitores, mas principalmente cria o sonho.

Estou a falar do guia Michelin e das suas estrelas.

Certo que, quando os chefes não as têm, diz-se frequentemente que não é importante, mas depois de ganharem uma, a opinião muda.

Pois, além de ser uma forma de reconhecimento internacional, é um importante factor económico.

Quando ninguém conhece a cidade e os seus restaurantes, este é o mais popular entre os bons garfos e, em Portugal, já há vários por onde escolher.

Começando de norte para sul, vamos encontrar o restaurante Largo do Paço na Casa da Calçada em Amarante, um lugar fantástico onde, escondido entre jardins e fontes, vamos encontrar uma casa e um restaurante que, apesar de recentemente ter perdido o seu chefe, continua a servir uma ementa de luxo e de uma qualidade superior.

Curioso o facto de esta casa ter alcançado recentemente a estrela que tinha perdido após a partida do chefe Cordeiro.

Descendo um pouco mais e chegando a Coimbra, entrando na Quinta das Lágrimas, somos logo cativados por um espaço que guarda a história de Pedro e Inês. Aqui, apesar de também já ter feito história, ainda tem muitas linhas para acrescentar no que diz respeito ao capítulo da gastronomia. Falo do modesto e talentoso chefe Albano Lourenço que, no restaurante Arcadas, continua a criar a sua cozinha de mercado de autor.

Agora, para descobrir a próxima estrela, temos de descer a A1 em direcção à capital onde vamos encontrar uma das mais recentes entradas no grupo dos galardoados que, curiosamente, é o restaurante mais antigo de Portugal e um dos mais antigos do mundo. A chefiar a cozinha está uma das nossas grandes promessas gastronómicas lusas. Jovem e cheio de garra, o Chefe José Avillez já tem fama internacional.

No Tavares, Avillez faz uma cozinha única onde mistura os seus conhecimentos técnicos, adquiridos pricipalmente pelo grande mestre Ferran Adrià, fundindo com os produtos e sabores lusos.

Ainda em Lisboa podemos encontrar, no topo do Parque Eduardo VII, o esplendoroso Eleven, oferecendo aos seus visitantes uma panorâmica de Lisboa e do Tejo verdadeiramente única e deslumbrante.

No comando da gastronomia praticada nesta casa está o austríaco Joachim Koerper que, depois de passar por várias casas de renome internacional, uma das quais chegou mesmo a obter duas estrelas em Valência, assenta arraiais em Portugal, e ainda bem para os amantes da boa cozinha internacional e mediterrânica de autor.

De volta à estrada, e agora em direcção àquela que é a região que concentra mais estrelas no nosso país, chegamos ao Algarve e às seis estrelas distribuídas por cinco restaurantes.

Começando por aquele que reúne mais dos famosos "macarrons", situado na Guia - Albufeira está um dos mais fantásticos hotéis e restaurantes de Portugal: o Vila Joya. Debruçado sobre o mar, a varanda do restaurante só tem um fiel competidor na sua estrondosa vista quando vê chegar as magníficas e criativas produções culinárias do Chef Dieter Koschina.

Mesmo perto, já em Alporchinhos - Porches, podemos encontrar novamente uma das mais recentes estrelas, o restaurante The Ocean, também este virado para o mar, com uma vista fantástica e uma decoração de muito bom gosto. Aqui a cozinha volta a ser comandada por um jovem, mas cheio de talento e noção de espectáculo, o chefe Hans Neuner. Os seus menus de degustação são, mais do que uma viagem aos sabores, uma viagem às várias regiões de Portugal, de onde vêm os únicos produtos com que este chefe trabalha.

Já chegando a Vilamoura, um pouco mais escondido, perto do golfe do pinhal, está um homem que não só ostenta uma estrela, como foi o primeiro chefe a ser estrelado no Algarve, o alemão Willie Wurger.

Decorado de forma discreta e com uma esplanada rodeada de pinheiros, este local dá-lhe sempre a garantia de uma excelente refeição. Uma cozinha tradicional, mas muito consistente.

Já em Almansil, as estrelas são três.

Do Maranhão, veio para Portugal abrir uma casa com o seu nome, Henrique Leis, e não foi preciso muito tempo para os inspectores da Michelin atribuírem-lhe a estrela.

A sua cozinha criativa e exótica faz as delícias dos visitantes e o charme do local ocupa-se do resto das boas-vindas.

O Amadeus, sob a tutela do chefe Siegfried Danler-Heinemann, ostenta orgulhosamente a sua estrela desde 2006.

Um restaurante dentro de uma pequena "Vila", com uma entrada muito florida e acolhedora, uma sala confortável e uma esplanada que fazem o Verão parecer melhor, e depois vêm as suas criações únicas e ricas na imaginação e paladar.

Mesmo perto ainda vamos encontrar o São Gabriel que, apesar de ter perdido o seu chefe, não perdeu a estrela e, graças ao seu novo chefe Torsten Schulz, manteve o galardão, recriando uma cozinha de valores mais simples, mas de grande complexidade técnica.

Saindo do continente, no Funchal vamos encontrar o francês Benoit Sinthon que, de forma soberba, chefia a cozinha do Il Gallo D'Oro, integrado dentro do belíssimo hotel The Cliff Bay.

Apesar do nome aparentar um estilo de cozinha italiano, aqui os sabores são internacionais, com uma forte componente mediterrânica, espantando em cada criação que é exposta à mesa.

Por enquanto, são onze as estrelas mas, viajando pelo nosso país e vendo o que de bom se tem feito, os senhores do guia vermelho vão ter de comprar um pack de viagens para Portugal, pois este é um destino a degustar!

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 19 de Abril de 2010

Tapas, Pintxos y Petiscos

OJE - Lifestyle - 2010.04.19

Um dia o Rei de Espanha Alfonso XIII parou para descansar e beber um cálice de Jerez numa casa de pasto à beira mar.

Ao levantar-se uma brisa de vento, o empregado tapou o cálice real com uma fatia de presunto e explicou ao rei que o fazia para proteger que a areia estragasse o vinho. O rei depois bebeu o vinho, comeu o presunto e repetiu.

Foi nesse dia que nasceu a tapa, apelidada em algumas regiões ibéricas de pintxos, mas por aqui nós chamamos mesmo de petiscos.

Tapas, Pintxos e Petiscos é a mais recente proposta gastronómica dos hotéis do grupo Starwood, que advém do resultado da união de 14 Chefes de 14 hotéis de Portugal e Espanha com um único objectivo: dar a conhecer a cultura da tapa em todo o mundo.

Assim, e durante dois dias, os criativos da culinária partilharam receitas e experiências resultando numa carta requintada, e a preços convidativos, que estará presente na zona de bar de todos os hotéis desta cadeia para todos os clientes.

Foram desenvolvidas 14 tapas, pintxos e petiscos desde: sardinhas de escabeche, canelones de chocolate, melão com presunto, chupa-chupas de atum e gengibre, brownies com laranjas caramelizadas, pudins de morcela e maçã, salmorejo e outras que prometem deliciar os gostos dos mais exigentes e requintados.

Esta é uma excelente forma de cativar as pessoas a frequentarem mais os hotéis e de se desmistificar a imagem de local apenas para pernoitar, mostrando a sua vertente de lazer e social.

Agora, após uma longa reunião, um momento de lazer, ou mesmo para saciar a sua fome, tem locais emblemáticos como o bar do panorama no Sheraton de Lisboa, situado no último andar do edifício com uma vista única sobre a capital portuguesa, a emblemática esplanada do wine bar do Marquês de Riscal, o pátio interior do histórico hotel Alfonso XII em Sevilha.

Esta é uma oportunidade única de descontrair e usufruir dos criativos e deliciosos petiscos de alguns dos mais conceituados chefes de Portugal e Espanha.

Para mais informações, pode consultar o site geral de todo o grupo: www.starwoodhotels.com, ou Porto: www.sheratonporto.com; Lisboa: www.sheratonlisboa.com; Algarve: www.sheratonalgarve.com, www.lemeridienpenina.com

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 19 de Abril de 2010

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Arola - Um restaurante para o dia e noite!

OJE - Lifestyle - 2010.04.14

Desde os meus tempos de infância que vou à Penha Longa, ainda antes de ser campo de golfe, hotel, já lá estava o palácio, a igreja, mosteiro e algumas casas que criavam uma aparência de que havia vida no meio daquele paraíso escondido pelo arvoredo.

Ainda esta semana, e depois de um período de quase uma ano sem fazer uma visita, finalmente conheci o restaurante Arola à luz do dia.

Não perde nada para a decoração e ambiente nocturno, pois as cores metálicas a contrastar com as transparências ficam em segundo plano, a luz da varanda e o verde brilhante provocado pelo campo de golfe e suas árvores são o que cativa a atenção.

O serviço em nada muda, pois a simpatia e a prontidão estão presentes seja qual for a hora do dia, a mudança é apenas na carta: ao almoço baseia-se mais em snacks rápidos e descontraídos, fruto de ser o restaurante de apoio ao Golfe; ao jantar a carta é mais selecta e criativa, mostrando toda a elegância da cozinha do multi-premiado chefe espanhol Sergi Arola.

Depois de bebida uma imperial, obrigatória quando olhamos para o buraco 18, mesmo quando não jogamos, começaram a chegar os couverts. Um pão tostado, uns tomates cherry e uns dentes de alho: o primeiro trabalho é retirado à cozinha e dado ao cliente, é uma boa maneira de interagir.

Barra-se o tomate e o alho no pão, e para quem gosta há um pouco de sal e azeite - muito bom.

A opção recaiu sobre o menu degustação Sergi Arola (39): Entradas frias, outras quentes, um quase prato e sobremesa especial.

Os primeiros a chegar foram umas sardinhas alimadas com salmonejo, que faziam grandes e agradáveis contrastes de acidez entre os cítricos das sardinhas, e o "molho" de tomate novo. As lascas de cachaço de porco bísaro e queijo da ilha, que neste caso foi substituído pelo parmesão e com certeza ganhou com isso, pois os sabores estavam todos em harmonia.

De realçar o crocante do pistacho e a acidez doce da maçã que timidamente se espalhava pelo prato. A salada de caranguejo real e sapateira foram os últimos dos frios, e o que dava menos espectáculo, pois faltava-lhe um pouco de sabor a mar e o picante estava meio tímido.

Dos quentes chegam as famosas e fantásticas Batatas Bravas com molho aioli e uns soberbos raviolis de rabo de boi com um "jus" muito bem conseguido, fazendo uma relação terra-mar muito elegante.

Dos quase pratos, apesar de ser apenas um dado como opção, degustei os dois - teimosia de quem estava contente com o que comia.

O primeiro foi um peixe galo com boletus e rabo de boi: muito bem executado, peixe duro e suave, pele crocante, os boletus a trazerem a harmonia de terra e o rabo de boi a fortalecer os sabores.

Depois veio o lombo de borrego com puré de aipo e ragout de Castanhas, um pouco de azar no ponto mas, depois de trocado, o sangue saía da carne juntando-se a um dos vencedores do dia - carne tenra e saborosa, um puré ligeiro que fazia sobressair um molho de carne bastante bem executado, de notar a ligeira doçura provocada pelas castanhas.

Termino com o momento doce Arola que consiste em "3" pêras bêbadas em forma de bola, do tamanho de um tomate cherry, e um molho onde prevalecia o maracujá - uma combinação fresca, e interessante. Talvez um pouco diferente do que estamos habituados, mas vale a pena arriscar.

A carta de vinhos está bastante completa e com boas opções para cada prato.

Gostei de ver a descida de preços em relação à minha última visita, pois o vinho é para se beber e não para ostentar em preços altos.

O menu da noite traz mais pratos além dos que comi, e uma outra alma, mas o dia favorece o espaço em contacto com a natureza, sendo um local perfeito para um almoço de negócios, de romance, e até de família.

Da noite para o dia, fiquei a conhecer o Arola.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Detalhes
Restaurante Arola
Penha Longa Hotel, SPA & Golf Resort - Estrada da Lagoa Azul 2714-511 Sintra
W 09º 23' 45'' N 38º 46' 03''
www.penhalonga.com
resort@penhalonga.com
+351 219 249 028
Horário: Aberto de segunda a domingo das 12h00 às 19h, Quarta a domingo 19h30 às 24h.
Preço Médio: Almoço: €25, Degustação €39. Jantar: €55, Degustação €33/€45
Tipo de Cozinha: Autor
Cartões: MB, VISA, MASTERCARD, AMEX, DINNERS
Notas: Estacionamento fácil

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 14 de Abril de 2010

quarta-feira, 14 de abril de 2010

2º Edição da prova do Pastel de Nata

É com grande orgulho que anuncio que o sucesso da segunda edição da Prova do Pastel de Nata, que decorreu hoje durante o Peixe em Lisboa foi novamente um sucesso.

Dos 14 candidatos, 12 foram degustados pelo júri composto por: Virgílio Gomes (Presidente do júri) gastrónomo e autor de várias crónicas sobre gastronomia, Chefes Vítor Sobral e José Avillez, o somellier Manuel Moreira e o gastrónomo Miguel Pires.

Os resultados deste ano foram:
1) Pastelaria Suíça
2) A Casinha do Pão

3) Hotel Altis

4)..... Ficaram todos os outros
Hotel Palácio
Hotel Real Parque
Hotel Ritz
Padeira de Carnaxide
Pastelaria Aloma
Pastelaria Califa
Pastelaria Chique de Belém
Pastelaria Cristal
Pastelaria Garret
Pastelaria Versailles
Prisão do Linhó

Em nome da Confraria do Pastel de Nata, quero agradecer a todos os participantes, aos visitantes que acorreram em massas ao pavilhão de Portugal.

Um obrigado sentido ao júri pelo seu trabalho árduo, e à organização do evento Peixe em Lisboa, realçando um abraço especial ao Duarte Calvão por acreditar nesta prova e continuar a incentivar que a mesma se realize todos os anos.

Os meus sinceros parabéns aos vencedores desta prova e não se esqueçam que para o ano à mais!

O Peixe já está em Lisboa

OJE - Lifestyle - 2010.04.13

Foi no passado sábado que teve início a 3ª edição do evento Peixe em Lisboa. As honras de abertura foram atribuídas ao Presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, que ao chegar e acompanhado pelo director do evento, Duarte Calvão, não dispensaram a visita completa a todo o espaço cumprimentando e felicitando todos os expositores.

A ideia desta festa da gastronomia é simples. Ao adquirir a entrada (€15) tem direito a um copo de vinho "tescoma" e ainda a uma ou duas senhas de degustação consoante a hora ou dia.

Inicie o seu percurso numa prova de vinhos, e daqui pode seguir para os restaurantes para acamar o estômago. Mas a tentação do corredor seguinte é forte, primeiro dá de caras com a Açucena e o seu peixe e marisco sempre frescos, depois pode perder-se no meio dos presuntos, queijos, azeites, doçaria nacional, utensílios de cozinha e uns fantásticos chocolates da NewTree que fazem as delícias dos mais gulosos.


Seguem-se os primeiros restaurantes e chefes: Spazio Buondi/Nobre da Justa Nobre, o Tavares de José Avillez que não pára de espantar, o Ramiro e as suas fantásticas gambas à la guillo, a York House e o Nuno Diniz com uns espantosos pastéis de lampreia, a Tasca da Esquina de Vítor Sobral e uns cuscuz fantásticos, a Fortaleza do Guincho de Vicent Fargés a apresentar um cheviche de sonho, terminando a ronda com o Eleven e o Joachim Koerper que têm um risotto de vieiras de chorar por mais.


Os preços das degustações começam em €5, e terminam nos €8, e as senhas podem ser compradas em diversos pontos do evento.


Segue-se caminho e enche-se o copo de vinho no José Maria da Fonseca. Aqui a gama está toda presente e o preço começa nos €1,50 podendo aumentar com as reservas e espirituosos.

Depois de degustar e beber um vinho, ou mais, é tempo de mudar de piso. Subindo e depois de passar pelas águas das pedras e algumas cervejas dá de caras com o Paulo Morais e o seu novo restaurante UMAI, que promete abrir portas no dia 23.

Segue-se o mercado de Santa Clara, o Panorama do Sheraton e Leonel Pereira com uma moqueca de cortar a respiração, o Ribamar do Helder Chagas e as suas criações do mar e, por fim, um espaço rotativo entre A Travessa, Padaria e Altis Belém.

Ao canto avistamos o espectáculo dos cocktails: garrafas, copos e shakers pelo ar, muita animação e cor e um dos mais fantásticos cocktails de todo o país.

Quanto a workshops, já por lá passaram vários e outros virão, o chefe Claude Troisgros já encheu o auditório, mas também outros fizeram furor: António Nobre, Rui Paula, e outros como Alex Atala, Bel Coelho, Hans Neuner prometem dar espectáculo.

Hoje pode contar com as apresentações dos chefes Miguel Castro e Silva (18h), e Bel Coelho (19h30), Aulas de cozinha asiática com o Paulo Morais e ainda outras actividades.

Não fique em casa e vá ao peixe. Para motivá-lo a ir, os primeiros 20 e-mails que chegarem à caixa postal gourmet@live.com.pt, recebem uma entrada dupla gratuita, bastando para isso que o o titulo diga: "Eu Quero Ir ao Peixe em Lisboa". (atenção já foram todas atribuídas!)

PASTÉIS DE NATA
Amanhã é dia da prova do Pastel de Nata. São 14 os pasteleiros que apresentam e sujeitam à apreciação centenas de pastéis de nata ao público presente, e para isso basta estar por lá às 15h. Vêm da Casa Suíça, Cristal, Chique de Belém, Versailles, Hotéis Altis, Ritz e Palácio, Prisão do Linhó e muito mais.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 13 de Abril de 2010

O meu menu : Pelos Caminhos de Portugal

OJE - Lifestyle - 2010.04.13

Sou cada vez mais um grande fã de restaurantes de hotel, não menosprezando os bons e diversos restaurantes de rua espalhados por este mundo, nos hotéis, principalmente nos de cinco estrelas tenho uma garantia de serviço e profissionalidade sempre excelentes.

Foi já na na passada quinta-feira que tive a oportunidade de conhecer este repasto: Vieira salteada com mexilhão avinagrado e salada de flores (€9), Creme de favas com gema de ovo e tartare de bacalhau com salada de rebentos (€5), Cherne braseado com açorda de mariscos e molho de vinho Alvarinho (€20), Trilogia conventual, espuma de arroz doce, shot de pastel de nata, gelado de toucinho-do-céu (€8).

Estava na simpática e agradável esplanada do Restaurante Guarda Real, que acabou de apresentar a sua nova carta de Verão. Aqui, no Hotel Real Palácio, mesmo no centro de Lisboa, entre o El Corte Inglés e o Fórum Picoas, não só temos uma cozinha de boa qualidade, como uma comodidade e um serviço que só um cinco estrelas sabe apresentar.

É de realçar que este cómodo hotel criou um buffet aos domingos para o almoço com o enfoque na família. Repleto de iguarias e por apenas €15, pode comer tudo o que lhe disponibilizarem. Aconselho também a consultarem as actividades vínicas desta unidade, pois todas as semanas haverá uma degustação com vários produtores nacionais sendo a entrada livre.

Se levar a sua cópia do OJE ou o recorte do artigo recebe um desconto de 10% no valor da factura final, exclui-se este desconto no buffet de domingo e nos brunchs à tarde.

Ainda a pensar no sol que não parou de raiar neste fim-de-semana que eu considero de luxo, segui de Lisboa em direcção ao sul, mas sempre junto à costa, na demanda de águas mais frescas. Parei por Sesimbra e sentei-me para comer vários destes petiscos: Amêijoas, búzios, percebes, mexilhão, vieiras, gambas, lagostas, robalos, chernes, linguados, bem aqui come-se de tudo o que vem do mar, e os preços, esses variam conforme as doses, pois quase tudo é vendido ao quilo.

Pois agora estou confortavelmente sentado numa mesa com vista para o mar, na fantástica esplanada do Ribamar, e a apanhar uns laivos de sol que o toldo por vezes deixa escapar. Este é um daqueles dias que, além de uma refeição fantástica e de um conjunto de bebidas refrescantes, só pecou por ter terminado.

É um espaço onde tudo é bom, começando no peixe fresco da pesca a linha, passando pelo marisco que está sempre a chegar fresquíssimo e luzente nas grandes caixas dos pescadores, até às tenras e deliciosas carnes, que timidamente aparecem pela carta.

É uma marisqueira, um restaurante e, acima de tudo, um lugar de convívio e confraternização, pois quem vai lá fazer a sua visita tem de pensar na partilha: as doses, a vista e os petiscos obrigam, e garanto que o dia até fica melhor.

Mas entretanto não se esqueça de levar a sua cópia do OJE, ou recorte deste artigo, apresentá-lo no momento em que lhe apresentarem a conta, e receba a simpática oferta de um desconto de 10% no valor final até ao dia 15 de Maio de 2010.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Voucher:
10% no valor da factura válido até 15.05.2010
Restaurante Guarda Real - Hotel Real palácio
Rua Tomás Ribeiro, 115 | 1050-228
Lisboa (W 9º 9' 03'' N 38º 43' 56'')
Tel. (+351) 213 199 500
Email: realpalacio@hoteisreal.com • http://www.realhotelsgroup.com/

10% no valor da factura válido até 15.05.2010
Restaurante Ribamar
Avenida dos Náufragos 29 Edifício Roquete, Loja D - 2970-637 Sesimbra (W 9º 6' 17,8'' N 38º 26' 36'')
Tel. (+351) 212 234 853
Email: ribamar@ribamar.com.pt • www.ribamar.com.pt

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 13 de Abril de 2010

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Vinho do Porto 100% Biológico

OJE - Lifestyle - 2010.04.12

Beber o vinho para degustar, ver a vinha para acreditar.


Nos anos oitenta, quando ouvi o meu pai a falar pela primeira vez em agricultura biológica, fiquei um bocado céptico, pois falava-se num conceito que estava a ficar muito na moda no centro da Europa e na América do Norte e pouco mais. Mas para mim era uma conversa de moda e não de conceito.

Com o passar dos anos, segui com muita atenção a evolução do biológico, e pouco a pouco tive que mudar mesmo a minha opinião, pois era frequente começar a ver as prateleiras dos grandes hipermercados a vender um ou outro produto com essa certificação.

Hoje, quando entro numa grande superfície vejo corredores dedicados ao tema, lojas em que a única venda é o produto biológico, e frequentemente nos restaurantes vemos na lista num parêntesis já com destaque “Certificação de Produto Biológico”.

É certo que os produtos inicialmente eram muito mais caros, mas a garantia de ausência de pesticidas e herbicidas, não só no produto, mas também na terra de onde foram produzidos, fizeram as pessoas pensar de uma forma mais ecológica.

Das cebolas, batatas, tomates e outros que inicialmente deram os primeiros passos, começou-se a ver a entrar para o lote um novo conjunto de produtos, um dos quais a vinha, a uva e o vinho.
Pois pela primeira vez na vida, bebi um vinho do porto 100% orgânico e totalmente certificado, e de uma viticultura que, além de estar na região demarcada do Douro, é agora sustentável.

Fico contente por poder divulgar aqui que a Fladgate Partnership, proprietários de vinhos como os muiti-premiados “Fonseca”, as eternas referências “Taylors”, e a sua mais recente aquisição “Croft”, criou uma politica para uma região demarcada do Douro sustentável e segue-a à risca.
Certo que os custos de produção aumentaram em valores muito acima da média, e os resultados da exploração diminuíram 15%, mas na realidade ainda é algo que se está a estudar e com o tempo certamente que esses valores inverterão.

Para já, podemos ver que a natureza e as margens do Douro estão a responder positivamente, pois o aspecto paisagístico está visualmente mais alegre e com um ar mais “sustentável”.

O resultado foi um vinho Fonseca que nada deve aos mais de 300 anos de tradição desta empresa, chama-se “TERRA PRIMA PORTO RESERVA ORGÂNICO”, e já recebeu os melhores comentários da imprensa internacional e nacional.

A explicação pode ser complexa mas assenta num estudo do passado, nos erros dos últimos vinte anos, e num estudo diário para descobrir uma melhor forma, mais rentável, mais ecológica de produção, sem nunca perder as qualidade principais a que este vinho licoroso se obriga.

Pois se acha que a conversa é muita e a explicação é pouca, faço o desafio de ir lá e ver com os seus próprios olhos aquilo que vou descrever nas próximas linhas.

A viagem até ao Pinhão pode ser de carro de Lisboa (A1, A4 e A23), Porto (A4 e IP4, A7, A25 e A24), de avião de Lisboa ou Bragança, ou então faça a fantástica viagem subindo o Douro de barco e pare no cais do Vintage House Hotel (www.csvintagehouse.com) para pernoitar e descansar.

O Eng. António Magalhães, responsável pela manutenção da vinha, e o enólogo David Guimarens responderam ao apelo do pai do David – Bruce, e meteram mãos à obra, iniciaram na quinta do Panascal, depois na de Santo António e agora também a Roeda, criando um espectáculo económico, paisagístico, e acima de tudo, vínico sem precedentes.

Quem conhece o Douro e as suas margens sabe bem a dificuldade que é trabalhar esta região, mas difícil não é impossível. Tiveram de enfrentar os grandes inimigos desta região como os socalcos e os seus patamares, o calor intenso do verão, a erosão constante das chuvas, as doenças, as pragas, sem usar qualquer herbicida, pesticida ou qualquer composto químico que destrói a terra, e certamente não fará bem à saúde.

As propostas foram: na vinha ao alto em encosta com declive de 35% a 40% criaram desnivelamentos dos talhões de vinha, com comprimentos úteis de plantação de 50 a 80 metros, e estradas de trabalhos com declive longitudinal de 2% a 4%, relvamento semeado temporariamente de aveia e ervilhaca para conservar a humidade do solo e defender da erosão; nos patamares estreitos em encostas com declive superior a 40%, criaram linhas de 2,5 metros de largura e só uma linha de videiras (oposto ao aconselhado no programa de 80 que recomendava 2), patamares com inclinação longitudinal de 3% (a inclinação é garantida por equipamento laser que controla os bulldozers na preparação do solo), e deixam que aconteça o relvamento espontâneo dos taludes (controlado mecanicamente) para controlar a erosão.

Facilmente vemos uma “erva daninha” a conviver com a videira, deixando de ser considerada um inimigo mas sim um aliado, não obrigando o uso dos tais químicos que já tanto descrevi.

Outro pormenor delicioso é o local onde são plantadas certas castas, as mais resistentes como a touriga francesa necessitam de menos preocupação e vão para solos mais baixos, a tinta roriz, que é talvez a mais sensível e delicada, tem como sulfato natural do oídio o vento, logo é plantada nas zonas de maior altitude para aumentar a exposição, a escolha de solos pobres também é importante para controlar o excesso de produção de certas castas. Pontos fortes, pontos fracos são história e a linguagem é ecossistema, paisagem, vinha, e claro um melhor vinho.

“A viticultura biologia é uma prática importante sobre espaço em courela de forma a entenderem a sua importância na natureza e para se caminhar para uma cultura sustentável nas restantes vinhas.”, confessa David Guimaraes.

“O vinho do porto é mais do que uma indústria vínica, é a sustentabilidade económica de mais de 100.000 famílias na região do Douro, e é tempo de pensar que se ela desaparece, não é só o vinho do porto que se vai, é toda uma região que entra em colapso económico.”, refere Adrian Bridge CEO da Fladgate Partership.

Depois do que vi acredito que este é o caminho do futuro, pois o desenvolvimento da viticultura biológica sustentável, é de certa forma abraçar o passado, reconhecer os erros do presente, e começar a pensar no futuro.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 12 de Abril de 2010

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Garrafa de Ouro 2009 atribuida a Luso-descendente em Paris

Cyril dos Santos, luso-descendente e dono do restaurante-bar Dis Vin Gaulois, ganhou "La Bouteille d'Or 2009". O seu bar foi eleito melhor bistrot à vin (tasca de vinho, à letra) em Paris

Neto de um português de Faro, Cyril dos Santos nasceu em Montpellier há 39 anos, não fala português mas não esquece Portugal. Cyril disse ao Expresso que vai com frequência para a região de Faro/Loulé durante as férias de Verão.

No seu bar-restaurante - sito na Rua Dutot, bairro número 15 de Paris - a lista de 40 vinhos inclui frequentemente alguns portugueses do Dão e do Alentejo.

O prémio "Garrafa de Ouro 2009" que o luso-descendente acaba de conquistar - e que será entregue esta noite - recompensa o melhor bistrot à vin de Paris e foi atribuído ao "Dis Vin Gaullois" por um júri composto por colegas da profissão, jornalistas gastronómicos e enólogos.

Cyril dos Santos é considerado um especialista dos vinhos das regiões francesas do Beaujolais, do Loire e do Ródano. Para acompanhar os vinhos o restaurante propõe queijos e enchidos seleccionados e pratos tradicionais franceses como "tête de veau".

www.dis-vin-gaulois.fr

Fonte: Expresso Online

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Queres ganhar um máquina nespresso?

A Nespresso vai lançar no dia 10 de Abril um concurso de fotografias online. Os participantes deste passatempo são convidados a imaginar, fotografar e apresentar as suas imagens fotográficas originais que melhor possam decorar as máquinas CitiZdot, de forma semelhante a Edição limitada das máquinas CitiZdot Paris e Nova Iorque.

Scott Schuman e Garance Doré farão parte de um painel de membros de júri que escolherá o vencedor. O vencedor do concurso receberá uma máquina CitiZdot com a impressão da fotografia vencedora no painel da máquina. Este concurso pretende dar aos membros do Clube Nespresso e aos fãs a oportunidade de partilharem com a Nespresso a sua interpretação dos momentos do café na sua cidade e nos locais mais simbólicos das suas cidades.

Para participar no concurso de fotografia CitiZdot, queira visitar www.nespresso.com/citizdot. A data limite para entrega dos trabalhos é o dia 23 de Abril.

As participações serão julgadas em fases locais e internacionais. Numa fase de selecção local os trabalhos recebidos e validados serão julgados através de voto público apresentado online no site em questão. Seguir-se-á uma fase de pré-selecção em que as imagens dos vencedores locais serão submetidas a um julgamento especializado, pelo fotógrafo de renome internacional Scott Schumann, cujas decisões serão definitivas em todos os aspectos. O júri irá seleccionar cinco imagens, sem ordem de preferência, que na sua opinião melhor cumprem a exigência conceptual e artística para decorar uma máquina CitiZdot.

As cinco imagens pré-seleccionadas pelo Júri serão publicadas na página do Facebook da Nespresso por volta do dia 1 de Maio de 2010, e serão submetidas à votação do público: www.facebook.com/nespresso. É apenas permitido um voto por pessoa por imagem.

Cada um dos Vencedores Locais receberá uma máquina CitiZdot. O vencedor irá, adicionalmente, receber uma máquina CitiZdot personalizada que incorpora, como decoração, a imagem do Vencedor. O participante na votação sorteado entre os votos válidos, irá também receber uma máquina CitiZdot.

Whisky mais velho do mundo com rolhas portuguesas

A rolha de cortiça Top Series®, da Corticeira Amorim, apresentada no início de 2010, foi seleccionada para vedante do whisky de malte mais antigo do mundo – o Gordon and Macphail’s Mortlach 70 -Year-Old.

A estagiar em barricas de carvalho desde 1938, este whisky escocês, uma edição limitada com mais de 70 anos, foi colocado à venda em 54 garrafas de tamanho standard (70 cl) e 162 garrafas mais pequenas (20 cl), a um preço unitário de 10 000 e 2500 libras, respectivamente.

A noticia é boa, a nossa cortiça continua a ser a maior, mas a quantidade é que não deve enriquecer a empresa.

Por outro lado, eu vou comprar umas garrafinhas, logo que conseguir vender o meu apartamento.

O Peixe Volta a Lisboa

Começa já no próximo sábado, dia 10 de Abril, no Pavilhão de Portugal em Lisboa, a 3ª edição do evento gastronómico Peixe em Lisboa.

Este ano, além das apresentações dos grandes chefes a trabalhar em solo luso, em que se incluem Alexandre Silva do Bocca, António Nobre do M'Ar de Ar, Hans Neuner do The Ocean, Leonel Pereira do Sheraton, Vitor Sobral da Tasca da Esquina, o evento vai dar um ênfase especial ao Brasil, convidando alguns dos nomes mais sonantes da cozinha brasileira e internacional.

Alex Atala, Bel Coelho, Claude Troigos, Beto Pimentel, Mara Salles e Tsuyoshi Murakami são nomes que vão marcar presença no auditório central, fazendo show cookings demonstrando toda a sua técnica, criatividade e arte.

O chefe catalão Joan Roca, distinguido com três estrelas Michelin no restaurante Celler de Can Roca, é um dos convidados que também mostrará ao público português a sua destreza culinária. Marco Canora é também convidado e promete originalidade na sua apresentação de cozinha ao vivo.

São doze, os restaurantes permanentes e três rotativos que diariamente, das 12 às 24 horas, vão estar em serviço contínuo, apresentando as suas melhores criatividades em torno do peixe e marisco, sendo uma oportunidade única de degustar as criações de alguns dos melhores chefes nacionais a partir de €5 por degustação.

Este ano, entre vários poderá contar com a presença de restaurantes como o Eleven, Fortaleza do Guincho, Tavares, York House, Cervejaria Ramiro, entre outros. As entradas têm preços diferentes se compradas para um dia: €15 com uma degustação de €5, fim-de-semana €25, cinco dias úteis €60, nove dias €100, e ainda há preços especiais para grupos acima de cinco pessoas.

Além dos shows cookings e dos restaurantes presentes, pode assistir a cursos de cozinha para adultos ou crianças, workshops de gastronomia e vinhos, provas com especialistas, espectáculos de cocktails, degustação de vinhos, cervejas, espirituosos, águas e cafés, música ao vivo e muito mais.

No dia 13 de Abril às 15h, será prestada uma homenagem à grande referência da crítica gastronómica portuguesa, David Lopes Ramos, pelo seu excelente e valioso contributo na imprensa generalista e especializada, bem como nos diversos livros publicados.

"Não querendo parecer um falso modesto, sinto-me honrado pelo reconhecimento, mas sou uma pessoa que recorre mais à descrição. Esta vai ser, sem dúvida, uma boa oportunidade de reunir a família e os amigos e poder estar com quem gosto", confessa o crítico.

Duarte Calvão vai, assim, novamente dirigir um evento de nove dias, em que o peixe e a gastronomia nacional são vividos intensamente e já se tornaram uma referência internacional.

Quer peixe? Então vá ao Pavilhão de Portugal entre os dias 10 e 18 de Abril.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Hoje, o Chefe Sou Eu!

Com o apoio do Aquafalls Spa Hotel, vai ser lançado a 9 de Abril, às 21h, na Biblioteca Municipal de Vieira do Minho, o livro “Hoje, o Chefe Sou Eu!”, uma edição para pais e crianças onde alguns dos mais reputados chefes de cozinha a trabalhar em Portugal partilham receitas saudáveis e divertidas, e com o qual será oferecido um avental de criança.

Amaya Guterres, Augusto Gemelli, Bertílio Gomes, Giorgio Damasio, Henrique Mouro, Henrique Sá Pessoa, João Leandro, Luís Américo, Mafalda Pinto Leite, Marco Gomes, Paulo Morais, Paulo Pinto, Ricardo Costa, Rui Paula e Vítor Matos são os 15 chefes que aceitaram o desafio de criar receitas que traduzem a importância de cultivar, desde tenra idade, hábitos alimentares saudáveis em todas as refeições.

Com prefácio de Ana Rito, Investigadora do Instituto Nacional de Saúde e Vice-Presidente do Conselho Científico da Plataforma Contra a Obesidade, “Hoje, o Chefe Sou Eu!” conta com fotos de Nuno Correia, que captou em imagem a colaboração entre chefes e crianças.

A apresentação estará a cargo de Ana Rito e do chef Luís Américo.

O meu menu : Pelos Caminhos de Portugal

OJE - Lifestyle - 2010.04.06

A Quaresma já passou e até tivemos direito a três dias de descanso, culminando o ritual de "Pessach" num belo repasto que decretou o fim da penitência e de um jejum de 40 dias.

Domingo passado as casas portuguesas encheram-se de cabrito, borrego, folar, bolos de amêndoa e muitos ovos de chocolate, ou seja, uma concentração calórica anormal, e assim fui à procura de um menu diferente e pela primeira vez exponho um buffet: por apenas €14,90 pode comer feijoada de batata-doce, castanhas à Alentejana, espetadas, filetes ou pataniscas com arroz de tomate e pimentos, cogumelos à Bulhão Pato, e muito mais, mas mesmo muito mais opções de qualidade, e, para terminar, umas sobremesas como o crumble da Avó (€3,75) ou Mousse de Maracujá (€3,85).

Estou a degustar iguarias de baixas calorias no restaurante vegetariano Terra, em Lisboa. Confesso que não procuro este tipo de cozinha com frequência e normalmente opto sempre por locais mais piscívoros ou carnívoros, mas este conquistou o meu paladar e tornou-se, para mim, num local de visita frequente.

Uma sala discretamente decorada, reforçada pelos aromas intensos da cozinha ligeira, e uma esplanada discreta, alegrada pelos suaves sons da queda de água, são razões suficientes para visitar este espaço e descobrir um tipo de cozinha alternativa e saudável.

E porque hoje é terça-feira, o OJE motiva-o a fazer várias visitas e, para começar, pode ir já hOJE e utilizar um desconto de 10% válido até dia 9 de Maio, e para isso basta levar a cópia da edição ou recorte deste artigo.

Fugindo da cidade, as alternativas são cada vez mais empolgantes, interessantes e por vezes uma necessidade à fuga do quotidiano, e nada melhor que escolher um destino que, além de único, tem uma gastronomia que simboliza os mais altos valores da cozinha regional.

Ora vejam este menu: Ravioli de queijo e pezinhos de porco de coentrada; fatias finas de lombo novilho com saladinha de espinafres vermelhos e queijo de ovelha; lombo de bacalhau ao vapor, estufado ligeiro de Grão-de-bico, legumes e "sames"; pintada corada com fatias finas de polenta e boletos flamejados; pastel de requeijão quente com gelado de chocolate, shot de café e gengibre; queijo de Serpa com doce de tomate - menu três pratos €30, e de cinco pratos €45.

Na versão portuguesa de "Napa Valley", mesmo no centro vínico alentejano, está o Gourmet da Malhadinha.

Hotel, Spa, produtores de vinho, incentivadores de actividades rurais e proprietários de um restaurante, sublime exemplo de uma cozinha alentejana contemporânea de sabor e bom gosto, a família Soares transformou este, outrora abandonado monte alentejano, numa espécie de oásis.

A sala está decorada de uma forma em que todos os pormenores são pensados e repensados para o conforto e harmonização entre estética, utensílios, repasto e o vinho produzido na propriedade.

Até ao dia 9 de Maio não se esqueça de levar a sua cópia do OJE ou recorte deste artigo e usufrua de uma fantástica oferta de 10% de desconto sobre a factura final.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Voucher:
10% no valor da factura válido até 09.05.2010
Restaurante Terra
www.restauranteterra.pt
Rua da Palmeira 15 - Princepe Real 1200-311 Lisboa (38º 42' 52.9'' N, 9º 8' 56.9'' W)
Tel. (+351) 707 108 108 / 213 421 407

10% no valor da factura válido até 09.05.2010
Restaurante Gourmet do Malhadinha
www.malhadinhanova.pt
7800-601 Albernoa - Beja (37º 49' 15.7'' N, 7º 58' 40.9'' W)
Tel. (+351) 284 965 211

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 6 de Abril de 2010

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Rota das Estrelas


Os grupos Lágrimas Hotels & Emotions, Porto Bay Hotels & Resorts, Vila Vita Parc, Fortaleza do Guincho e o restaurante Tavares juntaram-se para um roteiro gastronómico nunca antes realizado em Portugal.

O roteiro gastronómico, que acontecerá ao longo da Primavera de 2010, decorrerá de Norte a Sul do País, incluindo a ilha da Madeira, em restaurantes premiados com estrelas Michelin. Cada um dos Chefes envolvidos será anfitrião, durante dois dias, de outros dois Chefes convidados, preparando um ou mais menus de degustação em equipa, o que auspicia experiências gastronómicas inesquecíveis.

Em suma, um festival gastronómico itinerante que vai oferecer aos apaixonados pela cozinha muitas oportunidades para saborear o que de melhor se faz em Portugal.

Para mais informações ver o blogue Rota das Estrelas

Calendário

22 e 23 de Abril - Funchal
Anfitrião:
The Cliff Bay Il Gallo D´Oro - Chef Benoît Sinthon
Convidados:
Eleven - Chef Joachim Koerper
Tavares - Chef José Avillez

29 e 30 de Abril - Lisboa
Anfitrião:
Tavares - Chef José Avillez
Convidados:
Quinta das Lágrimas Arcadas da Capela - Chef Albano Lourenço
Vila Vita Parc Ocean - Chef Hans Johann Neuner

6 e 7 de Maio - Algarve
Anfitrião:
Vila Vita Parc Ocean - Chef Hans Johann Neuner
Convidados:
Fortaleza do Guincho - Chef Vincent Farges
Eleven - Chef Joachim Koerper

13 e 14 de Maio - Coimbra
Anfitrião:
Quinta das Lágrimas Arcadas da Capela - Chef Albano Lourenço
Convidados:
Tavares - Chef José Avillez
Fortaleza do Guincho - Chef Vincent Farges

27 e 28 de Maio - Guincho
Anfitrião:
Fortaleza do Guincho - Chef Vincent Farges
Convidados:
The Cliff Bay Il Gallo D´Oro - Chef Benoît Sinthon
Quinta das Lágrimas Arcadas da Capela - Chef Albano Lourenço

3 e 4 de Junho - Lisboa
Anfitrião:
Eleven - Chef Joachim Koerper
Convidados:
Vila Vita Parc Ocean - Chef Hans Johann Neuner
The Cliff Bay Il Gallo D´Oro - Chef Benoît Sinthon

BYOB: Um conceito e um exemplo a seguir

OJE - Lifestyle - 2010.04.05

É uma sigla ainda bem desconhecida do público português: BYOB - Bring Your Own Bottle, que no fundo quer dizer traga a sua própria garrafa! Para onde? Para o seu restaurante preferido!

Quantas vezes não pensamos, e até dizemos, nos restaurantes onde mais gostamos de ir e tendencialmente mais visitamos: "Qualquer dia trago um vinho que deve ficar excelente com este prato"? Ou então, depois de épocas festivas como o Natal ou no nosso dia de aniversário, em que a generosidade dos nossos amigos ou família recai sobre o magnífico néctar de Baco que é o vinho, e pensamos onde podemos consumir estes presentes todos.

Bem, agora já não precisa de se preocupar, porque o conceito parece que veio mesmo para ficar, ainda que a passos de bebé se compararmos com os EUA, França ou Canadá, mas mesmo assim já são vários os restaurantes, e em diversos pontos do país que aderiram a este serviço.

Os preços, ou a "taxa de rolha", vão variando - em muitos casos o praticado é o valor do vinho da casa, outros fixam pelo que acham justo, e outros recebem de portas abertas e não cobram nada.

Vejam bem a lista de alguns dos locais que pode visitar e levar a sua própria garrafa: Lisboa e arredores - Associação Naval de Lisboa - 2€ PAX - 213635329, Clube dos Jornalistas - €5 - 213977138, Eleven - €9 - 213862211, York House - €3.5- 213962435, Tavares - €15 - 213421112, Salsa e Coentros - €0 - 218410990, Na Ordem com Suspiro - €0 - 218406117.

Porto e arredores: Shis - €6 - 226189593, Ferrugem (Famalicão) - €5 - 252911700, Restaurante Pedro Lemos - €7,5 Garrafa - 220115986, Quarenta e 4 (Matosinhos) - €0 - 229363706, Cafeína - €5 - 226108059. Eira do Mel - Valor do vinho da casa - €15 (e pode levar a garrafa) - 282639016 (V.N. Bispo), Arcadas (Coimbra) - €9 - 239802380, A Escola (Alcácer do Sal) - €0 - 265612816 , Luar de Janeiro (Évora) - €7.50 - 266749114, entre outros.

Muitos se questionam, "então o vinho que era uma das nossas melhores formas de rendimento, vamos abdicar de vendê-lo?

A pergunta que eu faço é, aqueles clientes que nunca iriam ao restaurante, agora podem ser uma fonte de rendimento, será que vale a pena abdicar destes? E quem sabe se, no dia seguinte, não voltam para uma refeição e um dos mais caros néctares da casa.

É tempo de abrir os olhos e de começar a aderir às tendências dos mercados e, principalmente, às vontades dos clientes, pois são estes que têm sempre a palavra final.

Ora vejamos um caso prático. No passado domingo estava um dia de sol excelente, e a minha vontade era ir para uma esplanada mas, de certa forma, levar o vinho que me apetecia beber. Telefonei para a York House e perguntei se era possível - resposta afirmativa. Depois questionei se o vinho que pretendia levar fazia parte da carta: negativo.

Pois acho que levar o vinho que está na carta não é um bom princípio e até pode ser ofensivo.

Assim, peguei nas minhas seis garrafas de Adega Mayor, almocei maravilhosamente e só tinha de pagar 21€. Poupei uns dinheiros e o restaurante não deixou de ganhar.

Se todos se queixam da crise, por que não investir numa nova forma de rendimento?

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 5 de Abril de 2010