quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

O meu menu : Pelos Caminhos de Portugal

Cada vez é mais difícil falar de restaurantes em Portugal: são cada vez mais os melhores e menos os piores.

A única ilação boa que podemos tirar da crise na restauração é que os bons tendem a ficar e aqueles que não espantam, desaparecem.

O Porto é uma daquelas cidades que não pára de espantar na restauração. Cada vez há mais chefes que se mudam para a Invicta e tornam este destino gastronómico cada vez mais apetecível.

Pois, se não acredita veja bem este menu que poderá lá degustar: Creme de tomate com gorgonzola e gema de ovo (OLV), a terminar, um fio de bom azeite e lascas de queijo curado (€5); Aveludado de porcini com texturas de maçã verde, creme de cogumelos porcini aromatizado com trufa preta servido em dois tempos sobre composição de maçã verde (€8); camarão tigre grelhado com lemongrass, molho emulsionado do seu caldo, legumes e arroz (€22); Lulas recheadas com alheira sobre puré de cenoura, Interpretação da receita original do Giró (€14); Vitela de comer à colher sobre farrapo-velho de alheira, confitada na marinada e servida sobre uma cama de batata, grelos, alho e alheira, tudo salteado com azeite (€16); Trufas de chocolate com sorvete de cenoura e baunilha, várias texturas de chocolate em harmonia com um sorvete invulgar (€6,50).

Ao lerem este menu, muitos já sabem onde estive, mas mesmo assim aqui fica o nome - Restaurante Mesa!

Não tem ainda muito tempo de história, mas muitas histórias de boas refeições já se contam sobre as fantásticas criações do chefe Luís Américo.

A vitela de comer à colher não é apenas um nome engraçado, mas também um dos pratos com mais procura. A razão? Vai ter de descobri-la por si mesmo.

O espaço, decorado de forma rústica e contemporânea, é um misto de casa de campo numa penthouse do Porto.

Situado no último andar do nº75 da D. Domingos Pinho de Brandão em Nevogilde, o espaço divide-se entre o hall, a sala de jantar, a sala de chá e uma varanda sem fim.

Aos almoços, podemos optar pelos menus executivos, mais em conta e mais céleres, que contam com entrada, prato principal e sobremesa, bebida e café por 18€, ou 15€, se prescindir da sobremesa ou entradas.

No fundo, é um almoço para executivos, uma sala de chá para os puristas e um jantar para os românticos.

E porque o OJE gostou muito deste restaurante, aqui vai a recomendação para uma visita aliada a um delicioso desconto de 10%. São espaços como este que não podem deixar de ser visitados.

A partir de hoje e até ao dia 14 de Outubro, leve a sua cópia do OJE ou recorte deste artigo e usufrua a melhor refeição que o Chefe Luís Américo poderá confeccionar.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt


Voucher
10% sobre a factura
Restaurante A Mesa
www.amesa.pt
Rua Dom Domingos Pinho Brandão, 75 - 4º, 4150-280 Porto
W 8º 40' 29'' N 41º 9' 49''
Tel. (+351) 226 169 255
Email: info@amesa.pt
Horário: Aberto todos os dias das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 28 de Setembro de 2010

Finalmente é sexta-feira

Desde que conheci a cozinha do chefe Ljubomir Stanisic que me rendi aos encantos da sua técnica e criatividade, e nada me faz mais feliz do que anunciar que o seu novo projecto já abriu portas: Bistro 100 Maneiras.

Pelo que sei, abriu para servir os menus do Lisbon Restaurant Week até dia 2 de Outubro, e só depois introduzem o menu da casa.

A garrafeira, apesar de climatizada, ainda não está atestada; o serviço da Vista Alegre ainda só conhece as oito opções do LRW, mas o espírito já lá está.

Exemplo disso é o saco de serapilheira com o pão, a manteiga de cabra servida numa espécie de caixa de graxa e um conjunto delicioso de detalhes espalhados pela "mercearia".

Tem 70 lugares divididos em dois pisos, zonas para fumadores e puristas, uma sala privada, bar de cocktail e petiscos, e animação que só termina às 2 da manhã.

Ainda está na fase de recém-nascido, mas já tem alma de um graúdo, muito cool e muito trendy (Largo da Trindade 9, Chiado - Lisboa, tel: 910307575).

Dos sabores criativos passo para os picantes da Tailândia, pois foi ontem que começou, no restaurante Sandalwood Café Spa Cuisine, no Banyan Tree SPA Estoril, a primeira semana dedicada à gastronomia deste país exótico.

Este evento vai durar até ao dia 3 de Outubro e é promovido no âmbito das celebrações dos 500 anos de relações diplomáticas entre Portugal e a Tailândia, integrado numa série de acções que incluem exposição de fotografias, degustação de pratos típicos tailandeses, massagens tailandesas e demontrações de carving.

Os almoços, servidos até às 16 horas, são supervisionados pela chef tailandesa Preeya Prangthong e combinam o exotismo da cultura oriental com uma dieta saudável e apropriada a quem procura o bem-estar do corpo e da mente.

Passando dos sólidos para os líquidos, começa hoje às 16 horas, na LX FACTORY - Sala das Colunas, o evento Vinhos do Alentejo em Lisboa, que reúne mais de 60 produtores que pretendem dar a conhecer as suas mais recentes criações vínicas.

Amanhã abrem as portas às 15h e, tal como hoje, encerram às 22h, num evento que, além dos vinhos, irá ter um chefe convidado e muita música a criar um ambiente sofisticado e cool.

Já começou, nas 31 lojas do grupo Auchan, a feira dos vinhos que dura até ao dia 10 de Outubro: mais de 230 rótulos irão estar a preços mais atractivos e sujeitos à campanha pague 5 leve 6.

Na lista vai encontrar 35 vinhos premiados, entre medalhas de ouro, prata e diplomas de prestígio do Concurso Nacional de Vinhos.

Se não sabe de qual gosta mais, então aproveite as 80 degustações que vão decorrer nas lojas e, depois de provar, saberá qual quer levar.

Começou hoje, no Pavilhão do Atlântico, um evento dedicado à gastronomia e os seus produtos: o Mercado dos Sabores. Durante três dias poderá assistir a show cookings, aprender bastante sobre produtos, as suas regiões, técnicas e características.

Os mais novos podem, na Quinta da Leopoldina, aprender a fazer pão e até a ordenhar uma vaca. O preço da entrada é de 3 euros.

Termino relembrado que, até dia 2 de Outubro, está a decorrer o Lisbon Restaurant Week com mais de 50 restaurantes aderentes onde pode degustar menus a 20€ (www.lisboa-restaurantweek.com).

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 22 de Setembro de 2010

segunda-feira, 27 de Setembro de 2010

Alentejanos para todos os gostos

Foi há poucos meses que tive a oportunidade de visitar a Herdade de São Miguel na companhia do Alexandre Relvas (filho), passear pela vinha e adega e provar muitos dos néctares que foram engarrafados recentemente.

E foi há poucos dias que, durante uma prova organizada pelo Alexandre Relvas e o Nuno Franco, provei oficialmente os néctares já engarrafados.

Fiquei extremamente contente por sentir que grande parte das amostras de cascos evoluiu favoravelmente para alguns dos vinhos que, certamente, alegraram o palato de muitos apreciadores.

Dos 175 ha que compõem a herdade situada no Redondo, 35 são de vinhas plantadas entre 2001 e 2003, das quais se transformam anualmente 1 000 000 kg de uvas na adega em seis gamas e dezenas de blends e monocastas.

Começando pelo Herdade de São Miguel (HSM) Branco 2009, produzido das castas Antão Vaz, Verdelho e Viognier: ao olho apresenta cor citrina clara, e ao nariz aromas tropicais e florais. Na boca, revela-se fresco e mineral, terminando longo e persistente.

Não foi certamente o meu preferido, mas é um vinho equilibrado que poderá acompanhar peixes ou mariscos grelhados, ou carnes brancas leves.

Nos monocastas, destaco o HSM Merlot 2009, muito interessante e equilibrado, revelando do seu líquido escuro e opaco um aroma forte a frutos do bosque, chocolate e especiado.

A boca é forte em fruta e especiada, com boa estrutura de taninos. Termina persistente. A minha recomendação é servir a 18ºC com um risoto de trufas ou cogumelos selvagens.

O HSM Reserva 2007 é, também ele uma surpresa muito agradável: a madeira do seu estágio de 13 meses está totalmente integrada e aveludada, e os taninos estão vivos e firmes.

De cor escura e fortemente aromático, desde o café, baunilha, amoras, ameixas e ligeira mineralidade, revela uma boca fresca, também ela complexa nos aromas. Sirva a 18ºC com pratos fortes e temperados.

Termino com o HSM Private Collection 2007, produzido das castas de Alicante Bouschet, Aragonês e Touriga Nacional: resulta num vinho encorpado e do estilo Novo Mundo.

A cor é opaca, escura, o nariz é interessante, revelando notas diferentes como compotas de fruta madura, chocolate e especiarias.

A boca é longa e persistente com taninos aveludados, terminando elegante, poderoso e muito apimentado. Pode beber hoje ou daqui alguns anos e vai certamente notar uma evolução graciosa.

Dos vários vinhos a que tive acesso, como o Tinto Cão, Touriga Franca, Alfrocheiro e o tinto 2009, nada de muito negativo poderei divulgar, ficando com a sensação que a HSM faz muito, mas tem a preocupação de fazer bem.


Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Detalhes:
Os vinhos deste produtor podem ser adquiridos no site www.herdadesaomiguel.com na área loja, sendo os preços aproximados de:
HSM Branco 2009 - €5; HSM Monocastas 2009 - €10, HSM Reserva 2007 - €15,5; HSM Private Collection 2007 - €31,5

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 22 de Setembro de 2010

domingo, 26 de Setembro de 2010

Restaurant Week anima Lisboa

Hoje prescindi do meu menu para poder anunciar, não os dois restaurantes do costume, mas sim 52.

Começa já amanhã a edição de 2010 do Lisbon Restaurant Week, agora com 52 restaurantes de todos os tipos e estilos, um aumento fantástico de opções gastronómicas e sempre com o preço do costume: 20€.

O conceito mantém-se inalterável: uma entrada, um prato principal e uma sobremesa, uma ou mais opções por cada prato e, no fim, o preço é sempre o mesmo.

Claro que as bebidas são à parte, mas não será certamente por uns míseros euros que as pessoas vão deixar passar esta oportunidade de degustar e conhecer alguns dos mais prestigiados espaços e conceituados chefes em Portugal.

E porque a vertente social não foi esquecida, por cada refeição é doado um euro às instituições de solidariedade social.

À Associação Mulheres de Vermelho, pelo seu esforço na prevenção das doenças do coração nas mulheres, e ao Jardim Zoológico de Lisboa, ao abrigo do Ano Internacional da Biodiversidade, que se comemora este ano.

Por isso, além de poder degustar uma das centenas de opções que a edição deste ano propõe, está a contribuir positivamente para uma causa social de valor.

Os menus podem ser encontrados em restaurantes como o Eleven, Mezzaluna, Chiado Unique, Assinatura, Vela Latina, Flores, Panorama, Clara Jardim, L´Appart, Il Gattopardo, Arola, Ad Lib, Quinta dos Frades, Gemelli, Kais, Bistro 100 Maneiras, XL, entre muitos outros.

Para Henrique Mouro, Chefe de cozinha e proprietário do restaurante Assinatura, "A vertente social é importante e foi logo um ponto de respeito à acção. É também uma forma de participar numa actividade que anima e dá visibilidade à restauração em Lisboa.

Garantidamente que não é por uma questão financeira, pois o orçamento é limitativo em relação à qualidade dos produtos por nós escolhidos."

Já Fernando Maia, do Lapa Olissipo Hotel, explica, "esta é uma forma mediática de dar a conhecer o restaurante. O impacto é positivo, visto que o objectivo é divulgar a gastronomia portuguesa e dar a conhecer as suas técnicas a um público mais alargado, naquele que não é tradicionalmente o público alvo do hotel. Esperamos assim que as pessoas apareçam e que fiquem a conhecer um pouco mais do nosso restaurante."

José Borralho organizador do evento confessa: "Muito mais restaurantes! Este ano são 52 restaurantes no qual se incluem muitos espaços que nunca participavam e agora vêem o potencial e não hesitaram em aderir ao conceito. Uma das novidades de 2010 é o apoio do azeite Oliveira da Serra como patrocinador oficial, aliás grande parte das refeições vão ser confeccionadas com a inclusão deste nobre produto. Este ano espero também um aumento exponencial do número de refeições e consolidando cada vez mais a solidez desta iniciativa."

O meu conselho é que se despache a marcar a sua mesa através dos números das reservas disponibilizado no site www.lisboa-restaurantweek.com, pois ainda não começaram a servir e a correria das marcações já começou há uma semana.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 21 de Setembro de 2010

Finalmente é sexta-feira

O bom das sextas é que, além de preceder dois dias de descanso, é o início de três dias que podemos dedicar inteiramente à família, aproveitando para descansar fisicamente relaxando a mente.

E é a pensar na família e numa actividade que pode satisfazer todos os gostos e idades e, ao mesmo tempo, sendo algo diferente e educativo, que recomendo a visita à Essência do Gourmet.

Arranca hoje no Palácio da Bolsa, no Porto, às 15 horas, aquele que é, para mim, um dos mais interessantes eventos gastronómicos do ano, sendo organizado pela Essência do Vinho.

São três dias inteiramente dedicados às artes da cozinha e harmonização com vinhos. Durante os dias 17, 18 e 19, terão lugar mais de 50 cursos culinários diários, diversas sessões de show cooking, harmonizações, muitas provas temáticas, um mercado gourmet e diversos restaurantes onde poderá deliciar o palato e interagir com os restauradores e chefes.

São mais de 30 chefes que estão presentes e que vão contactar directamente com o público através das diversas actividades programadas.

Vítor Sobral, António Vieira, Chakall, Augusto Gemelli, Luís Baena, Luís Américo, Rui Paula, Leonel Pereira, Henrique Sá Pessoa, Nuno Diniz, Pedro Lemos, Marco Gomes, Igor Martinho, Alexandre Silva são alguns dos chefes que garantiram a sua presença.

Pode ainda degustar as iguarias de alguns dos mais prestigiados restaurantes do Porto, são eles o Buhle, DOP, Góschò, Pedro Lemos e Pousada do Freixo que servirão pequenos pratos de degustação a 7€ a dose.

Um dos pontos mais importantes deste evento é o tempo dedicado aos mais novos. Através da Escola do Gosto - Miúdos na Cozinha, onde reúnem vários monitores especializados, ensinam e sensibilizam crianças dos 6 aos 12 anos, das necessidades de uma refeição saudável e equilibrada, através de acções divertidas.

Ter um curso de cozinha com um chefe e aprender a fazer pizzas, pastas e saladas, onde a brincadeira e a boa disposição estão sempre presentes, é mais do que sensibilizar - é criar experiências que certamente uma criança não esquecerá.

Paralelamente, e integrado no evento, está a acontecer desde ontem nas Caves Ferreira, em V.N de Gaia, o Wine & Tapas Experience, um evento organizado em parceria com a Essência do Vinho e a Sogrape, onde os seus visitantes poderão degustar os vinhos da Sogrape provenientes dos diferentes países: Portugal, Espanha, Argentina, Chile e Nova Zelândia, e harmonizar com as criativas tapas de vários chefes lusos e internacionais.

Até sábado, nas Caves Ferreira, poderá assistir a provas orientadas pelos enólogos Luís Sottomayor (Casa Ferreirinha), Miguel Pessanha (Herdade do Peso) e Manuel Vieira (Quinta dos Carvalhais).

Os preços dos bilhetes para a Essência do Gourmet são de 15€ por dia e de 30€, garantindo o acesso ao Wine & Tapas Experience, incluindo transporte entre o Palácio da Bolsa e as Caves Ferreira.

Vá lá e desafie o seu palato a tornar-se num verdadeiro gourmet.

No Atlântico Para quem estiver na Ilha do Porto Santo, aproveite para ver o Festival do Colombo que amanhã termina. Muita animação, actividades culturais, desgarradas e muita gastronomia são algumas das acções que fazem parte deste programa.

O ponto mais alto será certamente no sábado à noite, com o cortejo e partida do navegador, seguido do espectáculo de pirotecnia.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 17 de Setembro de 2010

Hotel de Estrelas

As pessoas com que nos cruzamos no momento do check-in de um hotel são, seguramente, a primeira definição do estilo de serviço, decoração e comodidades que vamos encontrar na nossa estadia.

Se essas pessoas são a princesa Carolina do Mónaco, David Beckham, Rubens Barrichelo, Roman Polanski, Luciano Pavarotti, a garantia de luxo, serviço de cinco estrelas, exclusividade e um conjunto de surpresas que nos fazem sentir as pessoas mais especiais do universo, são certas.

Situado no tranquilo estuário da Ria Formosa, e com mais de 37 mil m2 de área de jardins com as mais diversas espécies de plantas e aves, o Hotel Quinta do Lago é sinónimo de luxo e natureza.

Classificado entre os 100 melhores hotéis do mundo, sendo considerada a 18ª melhor unidade hoteleira na Europa, membro do "Leading Hotels of the World". Estas são razões mais do que suficientes para justificar a visita e estadia.

No que respeita aos quartos, as opções dividem-se entre 121 quartos e 20 suites, com vista para os diferentes cenários que esta unidade luxuosa oferece: a fantástica vista para a cheia de vida Ria Formosa, a serenidade da vista mar, o exotismo do jardim ou a pacificidade dos campos de golfe.

Não é para todos, mas todos a cobiçam. Falo da espaçosa e luxuriante suite Royal, com 420m2, um terraço com uma vista admirável, piscina aquecida e um conjunto de surpresas e requintes que deslumbra todos os seus temporários ocupantes.

O Spa, inaugurado em 2004, tem um menu extenso, onde podemos encontrar os tradicionais serviços que se diluem entre os estéticos, relaxantes e estimulantes: piscina aquecida e com jactos, banho turco e sauna, ginásio, salas de massagem mas, o que verdadeiramente se destaca pela originalidade e singularidade, é o jacuzzi exterior debruçado sobre a Ria.

A oferta gastronómica e de bebidas também é muito interessante, havendo opções para todos os gostos, e diferentes estilos de apresentação e cozinha.

O destaque vai para o Cá d'Oro, que tem uma cozinha italiana contemporânea e requintada, cuja varanda é altamente requisitada no Verão. Na sua visita, não se esqueça de provar algumas das especialidades, como o risotto da casa e o ravioli de pêra, simplesmente formidáveis.

Golf, equitação, passeios de barco, carro, bicicleta ou simplesmente a pé... as opções para os seus dias podem passar pela praia ou por uma das dezenas de actividades que o hotel lhe pode providenciar.

Luxo, bom gosto e exclusividade, é o charme que aqui vai encontrar.


Detalhes
Hotel Quinta do Lago
www.hotelquintadolago.com
Avenida André Jordan, Quarteira 8135-024 Loulé
W 8º 1' 13.3'' N 37º 1' 50.4''
+351 289 350 350 / info@hotelquintadolago.com

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 16 de Setembro de 2010

Um Oceano Gastronómico

Sou um verdadeiro apaixonado pelo nosso país, se há algo de que não me envergonho é de começar um texto com um pouco de orgulho nacional.

Gosto do Algarve, sempre gostei desde criança, e tenho a certeza de que vou continuar a gostar.

São tantas as surpresas gastronómicas que esta região oferece, sempre prezando a mais alta qualidade.

Se formos fazer uma análise fria, é a região do país que tem mais estrelas e recomendações do guia Michelin, menções no guia American Express, entre outros.

Desde que conheci a cozinha do restaurante The Ocean, sob a batuta do jovem chefe austríaco Hans Neuner, fiquei com a certeza de que é possível chegar às tão cobiçadas três estrelas Michelin.

Eu sei que foi ainda há pouco tempo que ele recebeu a primeira, mas se a ambição, criatividade e nível técnico se mantiverem, nada vai parar este talento gastronómico.

O Ocean está integrado no luxuoso e fantástico resort hoteleiro do Vila Vita Parc, em Porches, tendo uma sala de decoração simples onde os pormenores são tão discretos que a atenção vai para os quatro pontos mais importantes: uma vista de sonho sobre a costa algarvia, um serviço de mesa e de louça dificilmente superáveis, uma garrafeira de fazer corar o mais nobre escanção e uma gastronomia única e exemplar.

A ementa está sempre a mudar e as sugestões têm um período de permanência de apenas uma semana, mas vou falar de algumas que, nos últimos tempos, me surpreenderam.

À mesa chegou um recipiente que, tal como uma cebola, vai-se revelando camada a camada.

Das três houve uma que mereceu uma atenção extra: era uma sardinha de escabeche enrolada com um pequeno gomo de toranja e um espantoso merengue que lhe incutia uma textura crocante simplesmente admirável.

Outra das referências que ainda se encontra no menu é a presa de porco preto com maçã Granny Smith, um ligeiro puré de alho e uma panchetta, em que o ponto do porco estava perfeito, combinado de forma subtil com a acidez da maçã e potenciado pelo ligeiro picante do puré de alho.

Este prato foi acompanhado pelo Herdade do Grous 23 Barricas, um dos ‘vinhos da casa', uma vez que os proprietários do resort também são os donos da Herdade do Grous.

Nas sobremesas, destaco a irreverente combinação entre o queijo de Azeitão líquido com muesli estaladiço de legumes e fruta - este é um daqueles pratos que se ama ou se odeia.

No meu caso, a paixão foi imediata. Sou um rendido ao ‘Azeitão' e achei esta combinação simplesmente divinal.

E porque o Sado estava mesmo presente neste prato, a combinação vínica foi com o Moscatel Roxo 1999 da Quinta da Bacalhoa, que se enquadrou perfeitamente na harmonização.

Com o café chegaram umas mignardises, também elas fantásticas.

Nada é feito ao acaso, tudo tem justificação e enquadramento.

Hans Neunar é um nome a decorar, pois este chefe ainda tem muito para crescer e, neste momento, já é gigante!

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.


Detalhes
Restaurante The Ocean
Vila Vita Parc - Alporchinhos 8400-450 Porches
W 8º 22' 45'' N 37º 6' 6''
+351 282 310 100 / reservas@vilavitaparc.com
Horário: Aberto de quinta-feira a segunda-feira a partir das 19h.
Preço: Menu 4 pratos €90, 6 pratos €125
- suplemento vinhos €95/€65
Tipo de Cozinha: Autor
Cartões: MB, Visa, Maestro, Mastercard, Dinners

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 15 de Setembro de 2010

O meu menu : Pelos Caminhos de Portugal

Semanas após as minhas ultimas recomendações, volto hoje a escrever sobre as minhas aventuras gastronómicas por este Portugal fantástico. Lisboa, apesar das férias, não baixou os talheres, e quem ficou a trabalhar encontrou uma oferta fantástica e muito capaz.

O espaço de que vou falar é recomendado a qualquer hora do dia, pois é calmo para se manter uma boa reunião de negócios, é rápido para assim poder voltar ao trabalho, e come-se bem.

Ora delicie-se com este menu: Três entradas do dia (supresa da cozinha), um combinado de sushi e sashimi (entre 12 e 14 peças), uma dose de Gunka Olivier (bife de Kobe, foie gras e cebola caramelizada) e ainda um combinado de bacalhau preto marinado em miso e teriyaki ou uma gamba gigante salteada e flamejada em sake – menu Omakasse (€35).

É um dos japoneses que mais furor fez no verão e chama-se Yakuza.

O espaço pertence a Alexandre Maia Carvalho e ao mediático Olivier.

A decoração, como já tem sido habitual nos espaços de Olivier, foi da responsabilidade da sua irmã Sofia Costa. Cadeiras cómodas, muita luz e glamour são os ingredientes que compõem a decoração.

Lisboa ganha aqui um local diferente que une a comodidade dos locais ocidentais à boa gastronomia nipónica, e o OJE para o incentivar a visitar este espaço criou uma pequena parceria até ao dia 26 de Julho, oferecendo 10% de desconto sobre a factura dos almoços, e para isso basta levar a sua cópia da edição de hOJE ou o recorte deste artigo para usufruir deste atraente desconto.

A Serra da Estrela é um dos locais mais fantásticos de Portugal: branca e misteriosa no inverno, florida e romântica na primavera, quente no verão, e os meus atributos preferidos da serra, castanha e pensativa no Outono.

Assim, e para celebrar a quase entrada nesta estação, vou recomendar um espaço que combina a melhor gastronomia internacional e regional contemporânea, com um twist do Brasil.

Vejam o menu: Sopa Fria de melão com Presunto e Gelado de pimenta Preta (€7,20); Ovos pochés sobre espargos verdes, creme de queijo e trufas pretas de verão (€7,80); Cherne corado com tagliatelle fresco e creme de dois caviares (€19); Jarret de porco assado lentamente, com gratin de batata e esparregado de farinheira (€19);Tarte Tatin de maça, Creme de Baunilha e Gelado de Canela (€7,20).

Onde pode comer estas iguarias?

No Convento de Belmonte Gourmet!

É um pequeno paraíso “quase“ escondido no interior do país, pois quem o visita encarrega-se de fazer a mais valiosa das publicidades: O passa palavra.

Recuperação fantástica de um velho convento em Belmonte, transformando o que há uns anos era uma ruína numa das mais belas pousadas do país.

A sala de jantar de decoração sóbria e de bom gosto, é o palco ideal para as criações do chefe Valdir Lubave, que depois de passar algumas temporadas com alguns dos melhores chefes do mundo decidiu assentar arraiais por Portugal e presentear-nos com os seus conhecimentos e criatividade.

É um dos meus locais preferidos, pois alia o rústico ao moderno, a novidade à excelência e a simplicidade de quem sabe receber!

E porque o OJE gostou muito deste restaurante, aqui vai a nossa recomendação para uma visita obrigatória, aliada a um delicioso desconto de 10% (excepto jantares especiais). A partir de hoje e até ao dia 15 de Outubro leve a sua cópia do OJE ou recorte deste artigo e usufrua de uma refeição extraordinária.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

VOUCHER
10% sobre factura ao almoço
Restaurante Yakuza by Olivier
Edifício Tivoli Fórum - Av.da Liberdade 180, Loja F 1250-146 Lisboa
W 9º 8' 42'' N 38º 43' 13''
Tel. (+351) 213 571 502

10% sobre a factura (excepto em jantares especiais)
Restaurante Convento de Belmonte Gourmet
www.conventodebelmonte.pt
Serra da Esperança 6250 Belmonte

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 14 de Setembro de 2010

sábado, 25 de Setembro de 2010

Finalmente sexta-feira

Depois de a chuva ter ameaçado instalar-se, parece que o bom tempo vai mesmo regressar e, como é habitual, trago uma mão cheia de sugestões para o seu fim-de-semana.

Acabadas as férias para quase todos, regressamos à azáfama do quotidiano, ainda revigorados pelos raios de sol de que temos usufruído durante todo o Verão, substituídos por pontuais dias de chuva e descidas de temperatura.

Mas nem tudo são más notícias, pois o nosso país tem muitas alternativas por explorar e divagar e, se não as conhece, aqui vão algumas sugestões para melhorar o seu fim-de-semana.

Começo por falar de um novo restaurante: O Pedro e o Lobo. Na Rua do Salitre nº 169, em Lisboa, é o primeiro projecto a solo dos chefs Diogo Noronha e Nuno Bergonse, que deixaram o prestigiado Moo em Barcelona e rumaram na procura de novos desafios.

Juntaram-se ao arquitecto Luís Batista, que assina o projecto arquitectónico, e daí nasce um novo espaço, contemporâneo, que procura a fusão entre a sofisticação e simplicidade.

Quanto à paparoca, esta é portuguesa contemporânea, onde as especialidades são a : Salada de quinoa, rabo de boi e tamboril lardeado.

Está aberto das 13h às 15h e das 20h às 23h, encerrando aos domingos e aos sábados ao almoço. O preço é de 20€ ao almoço e 35€ ao jantar. Tel: 211 933 719, www.pedroeolobo.pt.

Mas se quiser fazer algo verdadeiramente diferente, vá ao encontro do desafio lançado pelo produtor de vinhos Pinhal da Torre (Quinta do Alqueve e Quinta de São João) e vá vindimar.

Isso mesmo, é diferente e divertido: vista uma roupa confortável, uns sapatos prontos para o pó e a lama, um chapéu de palha e, claro, um par de luvas e trace o seu destino para Alpiarça.

Leve a sua família e pode colher os bagos, pisar as uvas no lagar, conhecer as castas do produtor, fazer provas dos vinhos e descobrir todos os segredos do processo de vindima de uma empresa familiar que está ligada à vinha e ao vinho há várias gerações.

As portas abrem às 7h dos dia 11 e 12 de Setembro e prolonga-se pela manhã toda. Vá e descubra como é que são produzidos os vinhos deste produtor.

Informações através do telefone 243 559 700 ou geral@pinhaldatorre.com, Quinta de São João 2090 Alpiarça -GPS 39º 16` N 8º 33` O.

Voltando aos sólidos, o chefe Ljubomir Stanisic do Restaurante 100 maneiras acabou de lançar um novo menu: I Love You. Certamente que o chefe se inspirou na sua outra paixão de nome Mónica e criou mais um irreverente e criativo menu.

Neste romântico menu podemos degustar Vieiras marinadas com azeite de avelã, puré de aipo e vinagreta de trufa, bombom de foie gras, Picanha, arancini de feijão preto, piso de coentros, chips de mandioca, entre outros.

Vá experimentar uma romântica inspiração gastronómica, e dirija-se ao Bairro Alto, na Rua do Teixeira, 35 em Lisboa. Reservas: 910 307 575.

Não se deixe arrasar pelo facto de ter regressado aos dias de trabalho e divirta-se gastronomicamente no fim-de-semana.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 10 de Setembro de 2010

Redoma 17 anos de história

Desde que degustei pela primeira vez um Redoma, que entrou nos meus vinhos de selecção.

Tem todas as características que aprecio num vinho: novidade, irreverência, além de ser um vinho altamente gastronómico.

É importante frisar que, como não poderia deixar de ser, iniciei a minha relação pelos tintos, depois os brancos, terminando nos rosés.

Desde esse primeiro contacto que todos os anos faço a mesma pergunta: será possível manter a qualidade e talvez superar um pouco?

A resposta é sim!

Pois faz menos de uma semana que tive acesso às mais recentes novidades e nenhuma delas me desiludiu, até pelo contrário, o Redoma Branco 2009 é um néctar bastante surpreendente.

Começo por falar um pouco do mais clássico: o Redoma Tinto 2008. Já são 17 anos de história desde a sua primeira colheita na Quinta do Carril em 1991, mas não é pelo tempo de experiência que Dirk Niepoort baixa os braços ao progresso, e este ano voltou a demonstrar que tudo o que faz é para ser bom e contemporâneo.

O Batuta tinto é produzido de vinhas velhas entre os 60 a 120 anos, sendo um blend entre as castas Tinta Amarela, Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, e outras, resultando no engarrafamento de 13.847 garrafas.

Em 2008, a sua apresentação é escura e intensa, evidenciando notas de ameixa, pimenta e vegetais.

A boca é suave, muito frutada e mineral, com taninos e acidez muito equilibrados, terminando intenso e persistente. Recomendo servido a 18ºC com um bom bife grelhado ou frito e molho forte e especiado. PVP 29€.

Falando do Redoma Branco 2009, a história reza ao ano de 1995, sendo produzido principalmente das castas Rabigato, Codega, Donzelinho, Viosinho e Arinto, revelando-se em 26.560 garrafas de um branco fantástico.

Limpo e cristalino, revela no nariz notas cítricas, minerais, um pouco de alperce e pêssego e uma ligeira tosta, e na boca essas mesmas notas revelam-se de forma fresca e elegante, de final complexo. Ideal para peixes assados, mariscos cozidos.

Sirva a 8-10ºC e o preço recomendado é de 14,70€.

Termino com o arrojado Redoma Branco Reserva 2009, também ele muito equilibrado e, principalmente, interessante.

Também ele é produzido das castas Rabigato, Codega, Donzelinho, Viosinho, Arinto e outras, dando lugar a mais de dez mil garrafas.

Envelhecido durante nove meses em cascos de carvalho francês, que lhe dão uma característica única e singular, este vinho é extremamente fresco e mineral e de uma complexidade apaixonante, com um subtil aroma a fumado.

A boca é um pouco ácida, mas mesmo assim equilibrada, passando para os sabores das frutas e minerais. Tem um bom potencial para envelhecimento. Sirva entre os 10-12ºC e o PVP situa-se nos 30€.

Dirk Niepoort não faz vinhos a pensar no seu ego, faz sim muitos vinhos de forma intensa e apaixonada, mas sempre a pensar que quem bebe os seus vinhos também tem uma palavra válida nas suas criações.

Os Redomas são vinhos para beber, degustar e, principalmente, apreciar.

Para comentar este artigo ou sugerir temas contacte o autor por gourmet@live.com.pt.

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 8 de Setembro de 2010

É tempo das vindimas

Ano após ano, inovam-se técnicas, agilizam-se os processos, sabe-se mais do clima e do solo, mas apesar de todas as evoluções e conhecimento, os produtores de vinho entram sempre expectantes no início da vindima.

Durante vários meses as vinhas foram seguidas, fertilizadas e mais um punhado de acções, para estarem no seu melhor, numa acção que dura pouco mais de uma semana (dependendo sempre do tamanho da vinha): A apanha da uva!

O processo é muito delicado e tem de ser muito bem iniciado, pois antes de tempo a uva não está certamente no seu equilíbrio perfeito, tornando o vinho desinteressante, sem concentração de açúcar e, por sua vez, sem álcool.

Tarde demais o vinho é rico em açucares, muito alcoólico, normalmente de baixa acidez e extremamente adocicado.

Cada variedade tem o seu ponto óptimo de maturação e, consequentemente, uma data.

Escolhida a data, há vários factores a ter em conta antes de se iniciar o esmagamento. Um dos mais importantes é a selecção da uva, sendo a primeira fase ainda no local da apanha, tendo normalmente uma segunda selecção antes da entrada na adega.

Outro ponto essencial é a temperatura, pois sendo ela demasiado alta corre-se o risco de iniciar a fermentação prematuramente.

Seleccionada e com a temperatura controlada, a uva é posta em tanques/ lagares para ser pisada – muitos produtores continuam a usar o processo tradicional, em que são os homens e mulheres a esmagar com os pés, mas a grande maioria tem sistemas mecânicos que substituem o processo “pedonal”.

Deste processo resulta um suco chamado de mosto, que já está preparado para uma nova etapa: A fermentação.

A fermentação inicia-se de forma lenta com um aumento subtil da temperatura e a libertação de gás carbónico - fermentação tumultuosa, e segue-se para a fermentação lenta - dia após dia, a presença de açúcares vai diminuindo, o líquido separa-se do bagaço e das cascas, e a glucose e frutose (açúcares) transformam-se em álcool, mutando de mosto para vinho.

Agora é tempo de estagiar e para alguns vinhos a sua nova casa são os cascos de carvalho, onde permanecem vários meses a envelhecer e a criar características únicas, e outros vão para as cubas para estagiar até estarem prontos a engarrafar.
Alguns meses depois, saem dos mimos dos produtos e chegam às nossas mesas, onde os meses de preparação, vindima, estágio e engarrafamento são transformados em segundos de prazer e degustação, que na mente podem durar uma eternidade.

A festa pré-vindimas

Mas nem tudo é stress, alguns produtores fazem uma festa antes de começarem a vindimar, onde combinam três factores muito interessantes: a apresentação dos novos engarrafamentos e vinhos prontos a consumir, um jantar onde se pode fazer a combinação eno-gastronómica, e uma festa pela noite dentro com muito vinho do Porto para desanuviar os pensamentos. E, por umas escassas horas, divertem-se antes de passarem para a dureza da vindima.

Estou a falar de cinco produtores do Douro que se uniram não só para criar um grupo sólido de amizades, mas principalmente para divulgar os vinhos de mesa do Douro e os nossos muito apreciados Portos por este mundo fora: Os Douro Boys.
São eles o Dirk Niepoort da Niepoort, Francisco Olazabal da Quinta do Vale Meão , Cristiano van Zeller da Quinta do Vale Dona Maria, Tomás Roquette da Quinta do Crasto e Francisco Ferreira da Quinta do Vallado.

Este ano evidenciaram os lançamentos de: Brancos - Quinta do Crasto (Crasto), Van Zellers e VZ Douro (Van Zeller), Tiara, Redoma e Redoma Reserva (Niepoort) e Reserva, Valado e Moscatel Galego (Vallado). Tintos - Douro 2009, Vinhas Velhas 2008 e Superior 2007 e 2008 (Crasto), Van Zellers Rufo 2008, Quinta Vale D. Maria 2008 e Curriculum Vitae 2008 (Van Zeller), Redoma 2008, Batuta 2008 e Charme 2008 (Niepoort), Douro 2008, Reserva Field Blend 2008 e Touriga Nacional 2008 (Vallado), Meandro 2008 e Quinta do Vale Meão 2008.

Durante a apresentação ainda deu para provar grandes Portos: Crasto LBV 2006, Niepoort Vintage Pisca 2007, Crasto Vintage 2008, Vale Meão Vintage 2008, Vallado Tawny 10 anos, Quinta do Vale D. Maria VZ Tawny 10 Anos.
Quero realçar que ainda se provaram o Van Zellers Reserva 2008, Vertente 2008, Sousão e Adelaide 2008 do Vallado e um fantástico Porto Niepoort Colheita 2001.
Todos estes vinhos, depois da prova, tiveram direito à companhia das criativas e regionais obras do Chefe Rui Paula, que deram uma perspectiva gastronómica a uma degustação que jamais será esquecida.

Aguardamos agora os relatórios das vindimas, as novas amostras, e um excelente ano de vinho. E para o ano há mais!

Texto publicado originalmente no Lifestyle do diário OJE a 6 de Setembro de 2010